O doutor da mula ruça existiu mesmo em 1534

Quando por brincadeira as pessoas se referem ao primeiro-ministro de Portugal como doutor da mula ruça, estão (sem o saber) a utilizar uma dupla ironia. Primeiro o senhor é mesmo pigarço; depois não está registado na Ordem dos Engenheiros.

Pois a graça disto tudo está em que, no ano de 1534, um tal António Lopes exercia medicina, em Évora onde era muito conhecido, mas não tinha diploma. Tinha estudado em Alcalá de Henares e, por falta de verba para pagar o «canudo», saiu de lá sem o respectivo diploma. Vai daí escreveu ao rei Dom João III e pediu-lhe que o mandasse analisar pelos médicos da corte de modo a poder exercer a sua actividade sem qualquer contestação. Em 23 de Maio de 1534, o livro da Chancelaria de D. João III refere:

«Dom Joham 3º a quantos esta minha carta virem faço saber que o doutor António Lopes, físico de Évora, me apresentou ua carta do doutor Diogo Lopes, meu físico moor, de que o theor de verbo é o seguinte: O doutor Diogo Lopes, comendador da Ordem de Christo e físico moor del Rey Nosso senhor em seus regnos e senhorios, faço saber a quantos esta minha carta de doutorado virem como por António Lopes, físico da mula ruça, morador em esta Évora, me foy apresentado hum allvará dellRey nosso senhor, por sua alteza assygnado e passado per sua chancelaria do qual o trellado he o seguinte: Eu ell Rey faço saber a vós Doutor Diogo Lopes seu fisico moor, que António Lopes, físico da mula ruça, morador en esta cidade, me dice por sua petiçam que elle estudou nove ou dez annos no estudo de Alcala de Henares.»

Fui descobrir esta curiosidade num livro de Orlando Neves, intitulado «Dicionário da origem das frases feitas». A edição é da Lello & Irmão Editores – Porto.

José do Carmo Francisco

11 comentários a “O doutor da mula ruça existiu mesmo em 1534”

  1. Aos interessados em defenderem a permanência da entrada “Arrebenta”, na Wikipédia

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Arrebenta

    —————————

    Resposta de um leitor anónimo.
    Lê e passa aos teus amigos.
    Vamos todos lutar contra os golpes baixos do bando do Sócrates e da Câncio!…

    Wikipédia
    “Meus caros,

    Se tentarem arrebentar alguma coisa ao menos façam-no de forma inteligente.Eu bem tentei a brincadeira mas o sistema não gostou muito que eu tentasse reescrever a história… (vide Censurado76). É lamentável a minha ingenuidade.

    Registem-se (caso não estejam já registados-caso contrário o vosso IP pode aparecer em vez da assinatura), façam o login, dirijam-se à página em questão e escolham a opção de opinar (“neste link” em letras pequeninas)

    Na nova página poderão ver os votos actuais. Carreguem em edit e vão reparar que o texto (é confuso para quem não está habituado) está dividido nas secções;

    Apagar;
    Manter;
    Comentários;

    No final da secção desejada, comecem por digitar os caracteres

    #~~~~ (é mesmo assim, cardinal e 4 tiles)

    seguido do vosso comentário (e.g., Manter, porque …). Podem tentar inserir a vossa entrada na parte dos votos mas se não cumprirem os requisitos o mais normal é aparecer um “vigilante” a fazer o devido corte.”

  2. Bem, meu caro, em que ficamos?! Há uns postes atrás zurzia-se contra os «doutores» e outros «títulos» e agora parece achar-se falta deles?!?! ;-)
    Mas a história é excelente! Já tinha ouvido falar nesse dicionário; vamos lá ver se «arranjo» uma «coisa» dessas que dá sempre «arranjo» em qualquer casa…

  3. Não. Quero lembrar uma expressão do meu avô que talvez por desvio semântico se aplicava a pessoas e não animais. «Todos os meus amigos estão pigarços» dizia o meu avô referindo-se à idade que não perdoa. Apenas isso; nada mais.

  4. Não é nada disso! Eu protestei contra o facto de me chamarem doutor sem eu ser licenciado. Isto nos convites para lançamentos de livros. Apenas isso.

  5. Físico é médico; mula ruça porqeu se deslocava em Évora numa mula ruça e por esse nome era conhecido na cidade onde o rei passava muito tempo.

  6. Agradeço a partilha dessa história!
    Curiosamente, fui abrir o dicionário que tenho em casa, do mesmo autor (“Dicionário de Expressões Correntes”), para ver se também a contava, e fiquei admirada com esta diferença: nele, Orlando Neves diz que o físico da mula ruça obteve em Espanha o grau de bacharel, mas pediu “equivalência” ao «grau de doutor pela Universidade de Lisboa para usufruir das mesmas vantagens dos diplomados por ela.»
    Seja como for, pedidos de equivalência e creditação de competências profissionais não são, pelos vistos, uma novidade do Processo de Bolonha!…
    Cumprimentos.

  7. ó sara, o doutor da mula ruça não pediu equivalência pelo seu currículo profissional, como o relvas, foi mesmo pelas suas habilitações académicas, certificadas por uma universidade estrangeira

    não consegues ver a diferença? pudera, também és das bolonhesas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *