As três janelas do fotógrafo Manuel Neto

Aconteceu uma vida anterior

Quando alguém se despediu

Nas três janelas desta casa.

Houve um primo na Índia

Um tio esteve nos Açores

E o pai foi para Cabo Verde.

O outro tio não foi para Macau

Mas até essa dúvida militar

Teve nas janelas testemunhas.

A avó rezou o terço todos os dias

E desmaiou no sol da missa campal

Quando o padre falou nos soldados.

Mas tudo isso foi muito antes do fim

Quando nesta casa se começou

A saber qual a gramática da ruína.

Depois todas as rendas se rasgaram

Como as redes da praia apodrecem

No canto das areias e do silêncio.

Aos poucos todos partiram de casa

Levando a vida fechada em malas

E sem tempo para dizer adeus.

A chuva fez o resto com o vento

E ninguém percebe a vida antiga

O frémito das vozes e dos dias.

Nesta casa só as janelas dizem

O inventário do tempo passado

E o balanço dos dias do presente.

A parede perdeu a sua pele antiga

Do tempo em que a casa respirou

E a vida era dizer adeus nas janelas.

5 comentários a “As três janelas do fotógrafo Manuel Neto”

  1. eu vejo duas portas e uma janela a contar de cima, já o poema não percebi, mas deixo este para fazer pendant com o frémito das vozes e dos dias.

    o pai foi pró trabalho,
    a mãe pró rendez-vous,
    a filha pró caralho
    e o filho levar no cu

    família tão distinta
    jamais outrora se viu,
    fodem a filha e o filho
    mais a puta que os pariu

  2. A avó não devia ter ido misturar-se com os soldados na missa campal. E essa de se desculpar com o Sol (que é um jornal fraquito) até parece coisa do cueilho.

  3. Houve um primo na Índia
    Um tio esteve nos Açores
    E o pai foi para Cabo Verde.
    A mãe, essa, deu em puta,
    O filho foi para Paris, era travesti,
    A sogra foi para a Rua do Século montar uma casa de meninas,
    A avó foi para um lar visto que dada a idade mijava-se e cagava-se toda,
    O avô ia à noite para a Av. da Liberdade, deu um paneleiro.
    A filha mais nova era muita viajada, já tinha apanhado uma bebedeira no Ginjal, e esteve presa na esquadra da Mouraria.
    A filha do meio foi morar para o Alto do Pina, depois mudou-se para a Penha de França,
    A filha mais velha foi para o Guinness por ter batido o record de abortos não clandestinos.
    O namorado da filha mais velha enforcou-se por não querer ser corno e foi para o cemitério do Alto de s. João,
    A madrastra casou com o pai do enteado da filha mais nova e foi vender flores para o Rossio.
    No meio disto o Xico Francisco foi para op jardim da Rua da Escola Politénica armar aos pardais.
    Puta de família que o Xico arranjou.

  4. Irra, realmente, caramba, por isso é que o bandalho da benedita tem o carater que tem, cum catano, é genética topo gama. Por isso é que o gajo diz mal dos primos franceses, pá, os que emigraram, pois não, foge, com uma árvore familiar daquelas, e bem-me este trambolho falar em filhos de puta e cabrões. O gajo lá sabe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *