Ideias Fixas

Ainda ontem era governante, e já hoje pagaria para o não ser. Que desabou a máquina do mundo e a coisa é de arrecear. O presidente em sítio num quartel, o ministro descomposto, a secretária apavorada em casa. Há blindados a galopar nas ruas, multidões em alarido, comunicados que ninguém autorizou…
O homem deixou de entender o mundo, mas é secretário de estado. E o presidente reclama, na emergência, que alguém lhe desencante um interlocutor. Algum general de peso, não caia o poder na rua, tão frágil que é, o poder.
Arrisca até à praça sublevada, forceja entre a multidão, chega à fala com um soldado que dispara um ultimato ao megafone.
– Sou secretário de estado, trago um mandato do presidente do conselho!
– Apresente-se no PC e exponha as suas razões! – diz-lhe o outro, a fazer a continência.
O homem aguentou o abanão, mas esgazeia o olhar.
– Sempre são eles quem manda?!
O soldado abre um sorriso, dá ordens ao condutor, embarca o homem num jipe.
– Leva sua excelência ao posto de comando! Põe-me os olhos no caminho, que há gente de ideias fixas!
E esticou o prazo ao ultimato.

Jorge Carvalheira

7 thoughts on “Ideias Fixas”

  1. A grande literatura é isto: cada sachadela, mínima que seja, uma minhoca. Não desdenhando, Jorge.

  2. Há 32 anos atrás meia dúzia de capitães com medo de ir para a guerra defender a pátria resolveram fazer uma Revolução. Estava no Poder um Governante medroso que tinha a Força suficiente para resolver o problema. Fugiu e deixou a pátria a homens que se revelaram terroristas e traidores uns anos depois. Milhões de Portugueses de todas as raças morreram por causa deles! Foram os responsáveis pelo Holocausto Africano.
    Hoje as bandeiras estão a meia-haste na República Independente do Alto de Paço de Arcos, por ordem do Exmo. Comandante Guélas, Potestade da Net.

  3. Ah, Bigornas, a tua noção de ‘História’ é marada, a tua linguagem basto ‘rétro’, mas hoje gozarás, aqui, de alguma amnistia.

    * * * * * *

    Bigornas, apaguei-te os enlatados que enviaste agora. És mesmo um gajo limitado, não tentes voltar a prová-lo.

    Mas – mais grave ainda – continuas a mandar spam comercial para aqui. Além de parvo, és um vendido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *