31 thoughts on “O orgulho da selecção”

  1. Li em qualquer lado que as flores largam um pingo altamente alucinogéneo. Instala uma rede por baixo, deita-te e abre a boca, a ver no que dá.

  2. Eu gosto,e estou àh espéra de ir a càsa do meu boy vêr as plantas que a sua pequêna plantou àh volta da piscina.

  3. o dragoeiro aqui anda num florival tal que eu até ando um pouco envergonhado, mas pronto ele é por certo mais sábio do que eu, e além disso fica belo. Também tem uma rua de jacarandás que andaram a fazer um halo mas já faz um tempinho

  4. João,

    Não chames “quintal” a umas traseiras que exibem uma árvore dessas! Com isso só encorajarás comentários de suplemento de revista rasca como o do Nik e alguns que se seguiram. Pelo menos dá-lhe o nome de “projecto de jardim”.

    A propósito de “halucinogénea”, a planta mais útil deste mundo é (ou pode não ser se a desvirtuarem) a nossa querida Maria Joana, que nunca provei, nem em fumo nem em suco, pela simples e única razão de que não a vendem na tabacaria nem em ervanárias. Filhos duma grande já sabemos quê! Se alguém ficar a pensar em “puta”, pois, seja.

  5. Olha-me este reles pedante, que nem escrever sabe, a tentar picar-me… Só não te esmago com a ponta do sapato para não ficar com substância negra colada à sola.

  6. se plantares uma olaia é em Abril que fica toda rosa. Fiquei com saudades do cheirinho das tílias aí no Porto, ali no Campo Grande de Lisboa também tem, mas o maior bafo com que estonteci, até as pestanas recurvaram, foi na Inbicta, carago

  7. era mesmo bom João Pedro:)se fosse no Campo Alegre sempre podia passar e espreitar, porque ao vivo ainda deve ser ainda mais bonito :D

  8. eu conheço Claudia, fui um grande amante de alecrins, rosmaninhos, hortelã e poejo, e até estevas, e gamado no cheirinho da murta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *