Blog, sweet blog (dois títulos em Inglês por dia, dá saúde e alegria)

Já dizia o Almada Negreiros (fica sempre bem começar um texto com uma citação – ou mesmo com duas, como diria a Clara Pinto Correia), que as coincidências são as únicas coisas na vida que não acontecem por acaso. No preciso momento em que mudo virtualmente de blog, d’As Ruínas Circulares práqui, estou igualmente a mudar de casa, de Canidelo para o Campo Alegre, uma das zonas mais bonitas da mui nobre e distinta cidade do Porto.

Eu já calculava que a segunda mudança seria ligeiramente mais complicada do que a primeira (o Luís Rainha fez tudo, eu gosto muito do Luís Rainha), mas nem mesmo a severa educação católica que recebi dos meus pais e de um Bombeiro Voluntário de Coimbrões me preparou para lidar com essa classe profissional que se dá pelo nome de «agentes imobiliários» ou com as burocracias inerentes a sintagmas e siglas como (rufar de tambores):

1) «contrato promessa de compra e venda»;
2) «registos provisórios»;
3) «licença de habitabilidade»;
4) «IMT» e
5) «escritura».

Há cerca de duas semanas, e após eu a Manela termos despachado o «contrato promessa de compra e venda» com os (ainda) proprietários da casa, os «agentes imobiliários» (chamam-se assim porque estão sempre parados e nunca fazem a ponta de um corno) falaram-nos da necessidade de assinarmos uma declaração para que pudéssemos ter acesso a uma cópia da chave antes da «escritura», isto para salvaguardar os direitos de propriedade dos (ainda e generosos) proprietários. Marcou-se uma data para a assinatura do dito papel e lá fomos nós contentinhos da vida. Deixo-vos aqui um pequeno apontamento dramatúrgico do que aconteceu nesse dia, feito a partir daquilo que me foi relatado posteriormente pela Manela. Dedico-o aos (ainda, mas já falta pouco) proprietários da casa, o Jaime e a Susana (nomes fictícios), por serem a única coisa boa que nos apareceu ao longo de todo este inicático processo.


CENA ÚNICA
(O escritório da uma agência imobiliária na cidade do Porto. Personagens: MANELA, VENDEDOR, PATRÃO e ADVOGADA)

MANELA
Olá, vim cá por causa do papel.

VENDEDOR
Olá, Engenheira Manela, que papel?

MANELA (sentindo que está em vias de entrar num gag dos Gato Fedorento)
O papel por causa da casa. A gente já assinou o contrato promessa de compra e venda e agora temos de assinar um papel para podermos receber uma chave da casa.

VENDEDOR
Ah pois… Só um momento… (Desaparece de cena. Pouco depois reaparece.) Mas que papel é esse afinal?

MANELA (calma que nem um santa)
Um papel para salvaguardar os direitos de propriedade de quem nos vai vender a casa…

VENDEDOR
O Dr. Jaime…

MANELA
Sim, o Dr. Jaime e a Susana…

VENDEDOR
Dr.a Susana…

MANELA (ainda santa)
ou isso… para que a gente possa ter uma cópia da chave.

VENDEDOR
Ok, eu venho já… (desaparece novamente de cena)

(VENDEDOR entra novamente na sala, desta vez acompanhado pelo PATRÃO)

PATRÃO
Olá, boa tarde, Engenheira Manuela. Que papel é esse?

MANELA (a afastar-se lentamente do caminho pio da beatificação)
O papel necessário para a gente ter uma chave da casa e salvaguardar os direitos de propriedade do Jaime… (o VENDEDOR ia interromper, mas a MANELA atira-lhe um olhar mortífero) …e da Susana enquanto não houver escritura.

PATRÃO
Mas quem é que exige esse papel?

MANELA (já secular, a caminhar para o ateísmo)
Vocês caramba! Foi você mesmo que falou nele aquando da assinatura do contrato promessa!

PATRÃO
Ah, esse papel! (Ri-se nervoso)

VENDEDOR
Ah, claro! Esse papel. (Ri-se também)

(PATRÃO e VENDEDOR riem-se durante um bom momento)

PATRÃO
E o Dr. Jaime e a Dr.a Susana exigem mesmo esse papel? É que não há necessidade…

MANELA (já nietzschiana)
Faça-me o raio do papel para eu assinar, caramba!!!

PATRÃO
Ok, ok… (e desaparece de cena)

VENDEDOR
Sabe, essas coisas são sempre complicadas e muitas vezes as pessoas não têm a noção (e peço desculpa por aquilo que vou dizer) das implicações técnicas que…

MANELA (herege)
Cale-se.

(O VENDEDOR desaparece. Passados três minutos ressurgem o VENDEDOR, o PATRÃO e uma ADVOGADA, mulher do PATRÃO)

ADVOGADA
Olá, boa tarde. Qual é o papel que a Engenheira precisa?

MANELA (pensando em cruzes invertidas e rituais satânicos)
A merda do papel que possibilite que o caralho da chave nos seja dada pelos donos da puta da casa!!! (A MANELA, na verdade, não utiliza esses registos de língua, mas achei necessário colocar esses palavrões para potencializar a dramaticidade da cena).

ADVOGADA
E quem é que falou nesse papel?

(O PATRÃO sai da sala aos pulos)

MANELA
O seu marido-cangurú.

ADVOGADA
Valha-me Deus. Nós nunca fizemos um papel desses…

VENDEDOR (tímido, a voz baixa)
Peço desculpa por interromper, mas talvez…

ADVOGADA
Cale-se!

(O VENDEDOR sai de cena, cabisbaixo)

(A ADVOGADA senta-se no computador e escreve finalmente o documento. Ao longo da redacção do mesmo, que demorará cerca de 30 minutos, ela pergunta várias vezes à MANELA se está bem assim, ou se acha que o mesmo deverá possuir uma sintaxe mais elaborada. A MANELA mostra os dentes.)

ADVOGADA
Aqui está. Agora é só assinar.

(A MANELA assina.)

MANELA
Agora preciso de uma cópia para entregar à pessoa que nos vai dar a chave.

ADVOGADA
Eu tiro uma cópia… Ora aqui está.

MANELA
Vocês enviam uma cópia para o Jaime…

VENDEDOR (aos berros de uma sala ao lado)
Dr. Jai…

MANELA e ADVOGADA (em uníssono)
Cale-se caramba!!!

ADVOGADA
A gente envia por fax, não se preocupe.

MANELA
Claro que não. Com profissionais como vocês, uma pessoa fica descansada… (A gente viria a saber depois que o Jaime não tem fax).

(Na sala ao lado, ouve-se o PATRÃO a ralhar ferozmente com o VENDEDOR)

ADVOGADA
Sempre ao dispor, senhora Juíza…

VENDEDOR (da outra sala aos berros)
…Doutora!!!

MANELA
… Engenheira…

ADVOGADA
…Manuela.

CAI O PANO E O PATRÃO APLAUDE.

11 comentários a “Blog, sweet blog (dois títulos em Inglês por dia, dá saúde e alegria)”

  1. Desculpa lá João, mas só é primeiro porque os comentários falharam até agora!!

    Epah, em boa hora regressas. Eu ainda ia dando uns saltos às Ruínas, à espera que surgisses por entre o nevoeiro, mas nada! Fizeste-o aqui, também está bem. O que é preciso é que publiques os textos (para não falar nas animações e nos desenhos) a que nos habituaste. Tu vê lá que outro dia me deu para procurar por aquela posta do gajo que te estragava os jogos de futebol, no café. Genial!

    Parabéns e força aí no teclado! Quanto aos restantes elementos, espero ir tomando conhecimento deles a pouco e pouco. Lá curriculum têm! :)

    Saudações

  2. Foi preciso alguém que domine a linguística como tu para eu entender porque é que “eles” são agentes imobiliários. Cá está! Não fazem nenhum, à espera que os outros tratem de tudo. Entendi!!!
    Parabéns pelas mudanças todas! E claro que o sketch é melhor que o gato Fedorento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *