Espero que seja mentira

Veio há pouco a público que o Ministério das Finanças “deu ordem aos serviços para não pagarem o subsídio de férias aos funcionários do Estado em Junho”, tal como é imposto pelo nº 2 do artigo 208 da Lei que aprovou o Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas.

Estamos a falar numa imposição legal protegida constitucionalmente como retribuição, que o Governo tentou roubar às pessoas em causa, mas viu a medida declarada inconstitucional pelo Tribunal Constitucional.

Segundo as notícias de há pouco, o Governo que dissera “respeitar o TC e que teria de cumprir a sua decisão” – declaração redundante numa democracia -, vem agora, através de um despacho interno escondido cuidadosamente de todos nós desde quinta passada, afirmar que apesar da decisão do TC não há dinheiro.

Espero que tudo isto seja mentira.

A não ser assim, é o divórcio entre o Governo e a democracia.

Ainda não está em vigor qualquer lei – lei – que altere as datas de pagamento do referido subsídio.

Espero que seja mentira.

10 thoughts on “Espero que seja mentira”

  1. Infelizmente, muito infelizmente não acredito que seja mentira. Parece-me mais do que óbvio o prolongado divórcio entre o governo e a democracia…
    Mas espero, que a Isabel Moreira tenha razão na sua esperança, e que seja mesmo mentira. Duvido, mas…

  2. Claro que não é mentira. Lançar notícias destas na comunicação social é o “modus operandi” do governo de Cavaco/Passos/Portas

  3. “Espero que seja mentira.”

    não sejas cínica. tás danadinha para que seja verdade e surfar a onda com o renhónhónhó habitual. em vez de andares a copiar notícias manhosas-a-ver-se-cola do governo devias mazé chatear os cornos aos gajos para evitar a situação. é para isso que foste eleita e te pagam, não foi para recortar jornalecos e comentar que os gajos são uns sacanas, isso já todos nós sabemos.

  4. parabens isabel por esta denuncia.estes gajos que ocuparam uma casa em s.bento atraves de mentiras, com ajuda preciosa do bloco e pcp, desconfio que andam a fazer um mealheiro fora do orçamento,para no final do mandato,fazerem um grande foguetorio! o ministro “maduro tinto” deve estar por tras desta trama!

  5. Será verdade. Como é verdade que há sempre expedientes legais para não se cumprirem leis ou quaisquer outras disposições de justiça. (também se poderia chamar coloquialmente “onde há uma vontade há um caminho”, mas eu acho que totalitarismo é uma palavra acertada)

  6. chamaram a troica com o pretexto de não haver dinheiro para ordenados. 80 mil milhões de euros e 1 milhão de desempregado depois vêm dizer-nos que não há dinheiro para subsídios, só pode ser milagre do gasparalho & moedinha com a benção do cavacoiso. façam-se à estrada.
    http://www.youtube.com/watch?v=q5fPWzcik2s

  7. Não é mentira. Nem sequer é “novidade”, de acordo com o que o parvo do 1º-menistro teve há pouco a latosa de dizer, com displicência, na TSF.

    A Lei que falta é um mero pormenor: ainda não está em vigor, mas em princípio há-de estar, até ao final do prazo indispensável (30 de Junho). E se não estiver, arranja-se outro “expediente” à maneira. É uma alegria…

    Entretanto, os Funcionários Públicos pobres vão ter que passar férias em casa, a celebrar o Natal em AGOSTO, e ir de férias só em Dezembro, como os menos pobres e os remediados!

    Enfim, o Tribunal Constitucional estava a pedi-las não estava? Queriam igualdade, o Servidores do Estado??! Pois aí a têm: agora também já podem ir para o olho da rua, com salário zero, e ter… Salários em atraso, para começar o Subsídio de férias!!

    E a culpa, todos o sabemos, é do Sócrates, claro. E o Povo, pá? E os Sindicatos, pá? Ai aguentam, aguentam…

  8. ATUALIZAÇÃO NOTICIOSA (segundo o Noticiário da Antena 2, às 16h):

    a trapalhada é total! Afinal, o problema é a Lei não estar pronta a tempo: o Estado, alegadamente (segundo o alegado 1º-menistro), “não pode pagar os Subsídios de Férias” em Junho, porque o Orçamento em vigor ainda não é o Retificativo! Por outro lado, o Secretário de Estado Morais Sarmento disse de manhã, no Parlamento, que o verdadeiro problema é não poder pagar-se agora, porque isso iria infringir o acordado com os credores internacionais – só AGORA é que fizeram bem as contas, os merceeiros? -, embora a CGTP, pela voz do seu Economista Eugénio Rosa, diga que isso é falso.

    E o “crítico” António Pires de Lima, do CDS – Partido que alegadamente integra o guverno -, sai hoje terreiro de viva voz, afirmando que esta decisão do Gaspar é um erro clamoroso, pois este dinheirinho, que o Estado quer manter do lado de lá, faz uma falta de alma do lado de cá, ou seja, à Economia real do País, que está já a “ratar” o fundo do boião do “soro”!

    Por outro lado, as Autarquias Locais decidiram, apesar do Orçamento ainda em vigor, pagar de acordo com o exigido pelo Tribunal Constitucional, ou seja, normalmente em Junho – só para os mais pobrezinhos, claro (salário inferior a 600 euricos), como aliás o próprio guverno decretou em Abril -, pondo assim o guverno isolado nesta autêntica birra infantilóide.

    Conclusão: temos um guverno de putos mimados, ao serviço dos contumazes incompetentes internacionais, amparado por um prezidento às aranhas no meio desta palhaçada, e o País suspenso do fim desta ópera-bufa, que mais semana, menos semana, ameaça descambar numa catástrofe nunca vista.

    Como diria o Tó-Zé Seguro: desejo umas óptimas férias aos MEUS concidadãos (e vamos mas é a banhos…)! Isto promete, não é?

  9. ATUALIZAÇÃO NOTICIOSA (segundo o Noticiário da Antena 2, às 16h):

    a trapalhada é total! Afinal, o problema é a Lei não estar pronta a tempo: o Estado, alegadamente (segundo o alegado 1º-menistro), “não pode pagar os Subsídios de Férias” em Junho, porque o Orçamento em vigor ainda não é o Retificativo! Por outro lado, o Secretário de Estado Morais Sarmento disse de manhã, no Parlamento, que o verdadeiro problema é não poder pagar-se agora, porque isso iria infringir o acordado com os credores internacionais – só AGORA é que fizeram bem as contas, os merceeiros? -, embora a CGTP, pela voz do seu Economista Eugénio Rosa, diga que isso é falso.

    E o “crítico” António Pires de Lima, do CDS – Partido que alegadamente integra o guverno -, sai hoje a terreiro de viva voz, afirmando que esta decisão do Gaspar é um erro clamoroso, pois este dinheirinho, que o Estado quer manter do lado de lá, faz uma falta de alma do lado de cá, ou seja, à Economia real do País, que está já a “ratar” o fundo do boião do “soro”!

    Por outro lado, as Autarquias Locais decidiram, apesar do Orçamento ainda em vigor, pagar de acordo com o exigido pelo Tribunal Constitucional, ou seja, normalmente em Junho – só para os mais pobrezinhos, claro (salário inferior a 600 euricos), como aliás o próprio guverno decretou em Abril -, pondo assim o guverno isolado nesta autêntica birra infantilóide.

    Conclusão: temos um guverno de putos mimados, ao serviço dos contumazes incompetentes internacionais, amparado por um prezidento às aranhas no meio desta palhaçada, e o País suspenso do fim desta ópera-bufa, que mais semana, menos semana, ameaça descambar numa catástrofe nunca vista.

    Como diria o Tó-Zé Seguro: desejo umas óptimas férias aos MEUS concidadãos (e vamos mas é a banhos…)! Isto promete, não é?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.