Em parte incerta

Gostei muito deste bocadinho. Garanto que gostei. Tive mesmo momentos de entusiasmo, daqueles em que o Mundo, contra todas as chances, bateu certo.

Mas outro momento chegou. O da partida. Sem dramas nem estados de alma, deixo o Aspirina. Desejo-lhe longos dias. Longos e cheios.

Cá o Degas ficará onde sempre esteve, onde é o seu lugar, e onde estará sempre melhor. Em parte incerta.

27 comentários a “Em parte incerta”

  1. eu então não pergunto porquê Fernando, respeito sempre a privacidade e a liberdade dos outros. Que sejas feliz em parte incerta, são os meus votos

  2. Eu sabia que tu eras uma pessoa decente, Fernando. Há coisas que são intoleráveis. No teu lugar também me tinha ido embora.

    Um abraço e espero que nos continuemos a “ver por aí”. Deste-me uma grande lição com tudo o que escreveste a propósito do Wilders e da imigração.

    És um Senhor.

  3. De qualquer forma, agora sim. Posso retirar o link do Aspirina. Não há mais nenhuma “razão” que se aguente a justificar que ainda volte cá.

    O Aspirina B acabou- caso ainda não tenham dado conta que até já tinha acabado quando o Valupi o espatifou.

  4. Wat een jammer Fernando. Sempre foi um prazer ler-te. É possível saber o porquê? Falta de tempo, motivação, vontade de fazer outras coisas ou nada que nos diga respeito? Em todo o caso, e como diriam estes nossos amigos holandeses, success voor de toekomst. Voor alles, eigenlijk. Abraço e vai aparecendo nas caixas de comentários.

  5. Meu amigo Fernando,

    não poderia deixar, desde já, de te deixar o convite para, sempre que quiseres, deixares uma intermitência lá em casa. És dos poucos com quem ficaria honrado de a partilhar. Pensa nisso. Eu vou esperar.

    Enorme abraço. Daqueles que partem ossos ao mesmo tempo em que abrem almas.

  6. Bem, a ver se a aspirina não deixa de fazer efeito, mesmo passando a genérico :)

    Como muitos, também apreciei o teu “trabalho” por aqui.

    Boa continuação – (quando regressar à Holanda, convido-te para irmos beber um café, sobretudo se fores apreciador de chá :)

    Abraço

  7. Fernando,

    Isto de sempre literatura sempre literatura, quando o mundo está ferro e fogo é realmente frustrante, e acaba um dia por desgastar…

    Por isso é que o Willemsen bebia tanto, havia um je ne sais pas quoi que lhe faltava na vida – o debate das ideias. O mesmo vai acontecer mais dia menos dia ao Luís Carmelo, no seu MINISCENTE. Olha, já começou por só postar artigos sobre cerveja – é ou não é sintomático?
    Como diria Sartre, il faut se salir les mains…

    Boas,
    C d r

    PS. Adieu curé, je t’aimais bien, on n’était pas du même bord, on n’était pas du même chemin, mais on cherchait le même port.

  8. Fernando
    Espero bem que isto não tenha passado de uma antecipação do dia das petas. O Jorge anda calado há muito tempo, o JPC não aparece, a Isabel nem pia, a Susana, o Valupi e o JCF fazem o que podem e sabem bem, mas, com um raio, o Sol não parará, mas perde-se um pedaço da alma deste Aspirina.
    Boa sorte para o minuete. Mas a tua saída, se for real, é um golpe tremendo nesta tertúlia. Ja disse várias vezes quanto te admiro.
    Um abraço. Ainda que não te perdoe.
    Daniel

  9. Estava resolvido. Puxou de debaixo da cama a caixa guardada ao lado dos patins de gelo e da bomba de ar da bicicleta e soprou-lhe o pó. Abriu-a com cuidado, para não estragar as missagras, tirou o arco e a flecha e sentou-se no mocho junto à janela. Retesou a corda, fechou o olho esquerdo e disparou. Como esperava, acertou em cheio na parte incerta.

    fernando, bons gins. gosto de o ler.

  10. Fernando. Como águia em elegante e picado voo, aqui passaste a tua asa, e a pena ficou. Abre as asas ao vento e voa, muitas mais penas vão ficar noutros lugares. VOAR É PRECISO. Abração.

  11. Segunda tentativa. ESpero que seja do dia das mentiras. ESpero que não seja por nenhum problema causado por mim, inadvertidamente. Espero que tudo tenha sido um equívoco. Um abraço

  12. Ó Rui,

    O Wilders tem as costas largas! É tudo culpa do Wilders! O merceeiro não fia. Wilders! A mulher pira-se. Wilders! O Sporting perdeu. Wilders!

  13. Então!? Já não se pode ir de férias!? Quando volto, depois de pôr parte do trabalho em dia, deparo-me com este post!?

    Entretanto já li o que está para trás… e… eu sei que os meus argumentos são de pouca valia mas o Aspirina precisa da voz da tua experiência, da tua refinada e sarcástica criatividade e das tuas críticas certeiras. Não que eu te ache um Deus mas porque tu prometeste que Ele chegava no próximo avião e eu… acreditei!, mesmo que esse avião não aterre na OTA mas sim em Alcochete (contra minha vontade).

    Eu gosto de saber que nesta casa é possível coabitarem seres tão diferentes como tu e o Valupi que, na diferença das suas opiniões, são tão parecidos na força com que as defendem – até que se faça luz ou até ao fim (não sei se ponha aqui um ponto de interrogação ou um ponto final)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *