Intermitência

“Sempre que estou diante de ti encontro, nos teus olhos, maldade, frustração, ódio, inveja, insatisfação”, diz-me H., um rival de longa data. “Sim, sou forçado a admitir que tens razão”, respondo com serenidade. “Sempre me disseram que tenho os olhos bastante espelhados”, concluo. E recebo, com tranquilidade, o murro que me esmurra.

19 comentários a “Intermitência”

  1. A coça invertida eu percebo, Sinhã, mas isso é consolo pobre para um murro na tromba e ainda por cima com tranquilidade…?
    E rival? Ainda há disso?

  2. há quem goste de bater em si próprio com meiguice: espera-se com tranquilidade um murro intranquilo. :-)

    há, sim, disso – olhar malogrado -, em todos os cantos. :-)

  3. Ena… um murro? CC? Pareces um pai alucinado que vai ao DT fazer queixinhas porque o filho recebeu um caldinho por ter sido grosseiro com qualquer colega.

    Os murros não espelham. Certo?

    Há três semanas também tinha uma unha encravada.

  4. exactamente : )
    parece que as unhas crescem.
    só nos resta o ritual higiénico. chegar as carnes para o lado e cortar

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *