O Sumiço

Fico eu sem expressões que pelo menos suspirem por reproduzir no espírito do bondoso leitor o meu desgosto com este momento: o nosso BdE finou-se. De modo bruto e definitivo, no more posts, no more comments; em frente, somente o zero onde se reduzem em pó os frutos de gloriosos e longos meses. Infindos esforços, minutos em multitude: primeiro gloriosos, hoje só devolutos.
E fico eu mudo por virtude de dispositivo conhecido: o homem submerge-se em criteriosos desígnios e Deus, no fim, impõe o seu definitivo direito de dispor desses pobres sonhos de poder. O efeito? Micróbios teimosos, clientes infelizes, HTML rebelde… todos unidos no grupo de escolhos em pleno percurso do meu Norte predilecto.
Dos mil e um posts previstos e queridos, o que pode resistir? Elejo o custoso repto do nosso ZM: um momento de respeitoso preito pelo glorioso OuLiPo. Efemérides existem que impõem respeito e honesto suor de esforço.
Júbilo sim; o desespero é que é proibido. Deste termo, muito promete sobreviver: de novo nos veremos por esses novelos de blogues e outros sorvedouros do nosso tempo livre. Disso fico certo.

Em simultâneo com o hoje moribundo BdE, ficou aqui um minúsculo lipograma para comemorar o aniversário do OuLiPo de Perec e de muitos outros génios da palavra constrangida. Tem o seu quê de justiça poética que o meu primeiro post aqui seja o meu derradeiro na minha antiga casa, agora condenada à demolição…

7 comentários a “O Sumiço”

  1. Já dei com a avaria: aparentemente, duas aberturas de itálicos consecutivas não são anuladas por inteiro por um só fecho…
    Vivendo e aprendendo.

  2. Demolição?
    Calma, Luis.
    Aquilo vai ficar assim mesmo, cheio de posts para leitores futuros, à espera da classificação como monumento público, decretada por um qualquer IPPAR blogosférico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *