Arquivo da Categoria: Valupi

Um estado policial

Segunda, 28 de Maio, 10.07 da matina. Este exemplar pagador de impostos, e vosso humilde escriba, recebe ordem para encostar o seu magnífico bólide numa rotunda de Cascais, mesmo no raio da rotunda. O agente é carrancudo, e, logo que se apanha com os documentos da viatura, dispara “O senhor sabe porque é que foi mandado parar?…”. O meu intrigado e resignado “Não…” demorou menos de 1 segundo, mas nesse intervalo tive tempo de rever o trajecto por uma rua sem trânsito, sem semáforos, sem traços contínuos, de sentido único, e percorrida dentro do limite de velocidade. Também tomei consciência da inovação metodológica: a pergunta a suscitar a autoavaliação, o Estado a promover a responsabilidade, o agente a ser agente de pedagogia. Fiquei dividido entre a elevação da abordagem e a suspeita de me estar prestes a descobrir inusitado vilão rodoviário.

“Onde está o documento da inspecção?…”. Também gostaria eu de saber, eu que nem sabia da obrigação de andar com ele. “Que documento é esse?…”, larguei enquanto fazia o número de procurar várias vezes na carteira. Olhava para o chão do carro, bancos, portas, à espera de dar com gavetas imaginárias a abarrotar desses documentos. “É um assim verde!”, e mostrava-me o papel do seguro numa mão e a impaciência de quem manda na outra. “Pois, não tenho. Mas tenho ali o selo…”. Marquei pontos, havia uma prova a meu favor que o obrigou a um movimento defensivo. “Sim, isso eu sei que também consigo ver, mas falta o documento!”. E faltar o parvo papel correspondia a 30 euros a menos no meu parco papel, fui informado. Entretanto, uma voz terceira invadiu o nosso colóquio. Transmitia referências precisas de um automóvel, marca, cor, e sentia-se urgência na voz. O agente dava passos incertos, dobrava a minha papelada, mirava a entrada da rotunda. Comecei a ficar concentrado no acto seguinte, antecipando o pagamento por Multibanco nos próximos segundos.

Aproximou-se da janela, abaixou-se e, quase íntimo, perguntou “Vinha a falar ao telemóvel?…”. Desta vez ultrapassei o segundo antes de responder. Talvez um segundo e meio, mais coisa menos coisa. Até deu para catrapiscar os meus dois telemóveis ali em frente às mudanças. Que pergunta incrível. Era uma pergunta que nos catapultava num lance epistemológico. Tanto eu como ele estávamos obrigados a mudar de papéis. Agora, era eu o agente da autoridade, com poder de aplicar a lei. Ele, um civil que está perdido, a pedir informações. As possibilidades eram variadas, feéricas. Era-me dada a possibilidade de ser infractor, denunciador, fiscalizador e juiz em causa própria. E tudo isto antes da 11 da manhã. Apetecia-me, então, prolongar esse estatuto. Usar o cargo para resolver problemas bem mais importantes, como os relativos às questões existenciais. Por exemplo, responder às perguntas “Ando a falhar a minha vocação?” e “Sou verdadeiro com os que amo?”, procedendo depois à passagem das respectivas multas em caso de transgressão. Ou dizer que iria pensar, que responderia depois do almoço, lá mais para a tarde, se não chovesse. Enfim, a pergunta era pessoal. Que tinha aquele gajo a ver com as minhas chamadas telefónicas?

Agarrados à charrua

plough2.jpg

O primeiro sinal de alarme, incomodativo, veio do BE. O Bloco tinha capital intelectual e espaço mediático para ser oposição. Mas não o conseguiu, porque não se muda de identidade como quem muda de votação; aí está o PCP para o provar à saciedade. Fica-se pelo folclore. O segundo sinal de perigo, dramático, veio do PSD. Barroso destruiu o PSD ao entregá-lo a Santana em vez de a Ferreira Leite. Com Marques Mendes, e sem chefe seguinte à vista, o PSD não existe, criando um pesado vazio de poder que é nefasto para a democracia. O terceiro sinal de desastre, trágico, vem agora dos críticos de opinião. O coro que tem tentado, em ondas sucessivas, macular a imagem de Sócrates, está finalmente afinado. Consideram que se pode estabelecer analogias entre os casos de merda que têm entretido abutres nos últimos 2 anos de Governo e aquilo que foi a inscrição do salazarismo na História de Portugal. Fosse eu patrão destes escrevinhadores, estavam todos despedidos. Alguns, sovados.

Quando se tem o topete de afirmar que Sócrates, seja de que forma for, está a reduzir a liberdade dos portugueses, há algo que imediatamente se torna óbvio: o autor da afirmação acaba de perder a credibilidade. É preciso já não ter a noção do que seja a responsabilidade (e o ridículo) para despejar nos meios de comunicação tamanha boçalidade. É preciso estar possuído por uma soberba que esmaga até o espólio político e cultural mais próximo, a nossa História recente de 30 anos. É preciso ignorar os fundamentos da democracia, estar tão envenenado pelo cinismo que se deixou de sentir qualquer pertença à comunidade — só restando as ligações ao ressentimento oriundo de uma megalomania atrofiada e atrofiante.

Esta semana foi fértil em exemplos de irresponsabilidade, até maldade, em políticos e publicistas, mas nenhum é mais revelador do que o processo disciplinar ao professor Fernando Charrua. Ainda sem se conhecerem os factos na origem do caso (que exibem um quadro de oportunismo e disfunções individuais), culpou-se Sócrates pela decisão de Margarida Moreira. Fantástica indução, a qual abole todos os critérios de sensatez e boa-fé. Como se fizesse sentido denunciar um monstro de manipulação e, em concomitância, atribuir-lhe um erro tão grosseiro — e tão prejudicial para o próprio intento tirânico — como esse de perseguir um professor por uma boca de corredor. Sinceramente, perdeu-se a vergonha de se passar por imbecil. Mais: tal postura é conforme ao desinteresse em falar dos verdadeiros tiranetes do País, aqueles que se passeiam noutros corredores bem mais silenciosos e recatados.

De maneiras que é isto: até os nossos críticos estão a precisar de reforma. Sócrates tem sido areia a mais para muita camioneta, e a maior parte deles nem nunca viu um tractor. Ainda estão agarrados à charrua, pensando sempre a direito, devagarinho.

Googlonismo

Se o capitalismo conseguiu criar uma empresa como o Google, não pode ser um sistema assim tão mau. O que me lembra o relambório de Carlos Carvalhas, hoje na manhã da TSF, em tudo conforme com o Portugal salazarista que também tinha medo do capitalismo e suas originalidades, seu assustador poder inventivo. Ora, os amigos do Google andam todos muito bem alimentados e descontraídos, para além de não estarem sujeitos à audição dos lamentos do Carvalhas, condições essas em que a inteligência floresce. Vai daí, estão sempre, mas sempre, a criar. O exemplo que trago pode parecer irrelevante, mas é genial de simplicidade. Trata-se do Google Image Labeler. É a resposta a um gigantesco problema, tão grande que até uma empresa que vale 150 mil milhões de dólares não se podia dar ao luxo de resolver por si: catalogar as imagens da Internet. Solução: que cataloguem os outros; ou, a catalogação a quem a busca. Eis o espírito revolucionário do capitalismo.

Sincronias assíncronas

Os blogues com comentários são mais enciclopédias do que jornais. Mas enciclopédias inacabáveis, já vencidas da vida nisso de nascer. As suas entradas são actualizadas pelo utilizador, não pela actualidade. Ou dizer melhor: a actualidade consiste na utilização do utilizador, abrindo a enciclopédia à permanente consumação da sua potencialidade, à sua morte e ressurreição no acto de aceitar o comentário. Fogo que não queima, nem gasta, o texto originador.

É o que está a acontecer aqui na casa nalguns casos paradigmáticos, por serem tão diversos:

Um new look para o empresário português?, de 9 de Agosto de 2006, teve um ressurgimento de freguesia a partir de Maio de 2007.
Floribella estraga-se, de 8 de Setembro de 2006, tem sido regular íman para inocentes meninas.
Portugal, queremos “isto”?, de 19 de Abril de 2006, continua a reunir bom vento e boas conversas dos nuestros hermanos e primos.
Not obstante, de 21 de Fevereiro de 2007, recebeu há dias a visita da celebridade em causa, o magnífico Jallapão (ou alguém por ele, tanto faz).

Há outros casos, pontuais. Que irão crescer. Esta enciclopédia não acaba de acabar.

Kalashnikov

Jel entrou na segunda série do Vai Tudo Abaixo, na Sic Radical, e o nível geral desceu. Efeitos do amadorismo, o qual resolve descansar após o sucesso. Mas tudo se perdoa, e mais do que se compensa, com as peças Kalashnikov. Estamos perante uma raridade absoluta em Portugal, e raridade ainda no resto do Ocidente amedrontado e acobardado pelo terror dos loucos. Porque se trata de genuíno iconoclasmo. E tão carentes que estamos dele.

Este segmento vale especialmente, cá para o meu palato, pelos dois últimos minutos. E, nestes, pelo despautério dos últimos 20 segundos. Dionisíaco.

Obrigado, MPT

pt%7Dmpt.gif

A democracia resiste aos canalhas e às canalhices. Porque a democracia é para todos, canalhas incluídos. Contudo, a democracia depende dos democratas. E eles são poucos, raros. Porque ser democrata é ser valente, ser justo. Como cada um poderá atestar por si, valentes e justos não são fáceis de identificar. Chega a parecer que não existem em lado nenhum.

No caso da marcação das eleições autárquicas em Lisboa para 1 de Julho, estávamos perante uma canalhice, organizada por vários canalhas e tendo a cumplicidade de uma mole deles. Estávamos, assim, num estado de normalidade democrática. Veio, então, o Movimento Partido da Terra lembrar que a democracia pode também ser anormal, onde uma minoria actualiza os fundamentos da justiça. Que tal façanha seja protagonizada pelo partido mais simpático do mundo — pois é o partido de Gonçalo Ribeiro Telles, um português que o Portugal decadente não merece —, é verde sobre azul.

Desarrolhar o Maio

DSC00414.JPG

Da nossa amiga sininho, chegam-nos este texto e imagem:

Desde “sempre” que o mês de Maio tem muito significado para os habitantes de Lagos.

Maio, o mês das flores!

Talvez por isso, e para realçar a sua beleza, as populações locais terão concebido “AS MAIAS” enfeitando com muitas flores, e outros adornos, umas “BONECAS” feitas artesanalmente, e que depois colocavam às portas e às janelas, não só para mostrar as suas habilidades como para que os passantes verificassem que a tradição das “MAIAS” subsistia – o que a todos agradava. A satisfação era tal que as donas das “MAIAS” ofereciam aos mirones o tradicional figo torrado acompanhado de uma boa aguardente de medronho. Ofereciam também deliciosos bolos de miolo de amêndoa que se chamavam “ROLHAS DE MAIO”, que eram muito apreciados e disputados.

Continuar a lerDesarrolhar o Maio

Sensações mínimas

fernando-negrão.jpg

Não falou nem discursou, vociferou. Estava de peito feito. Bravo. A sala era caserna. O público, pelotão. Quis mostrar que tinha força. Que com ele não brincavam. Para mais, poupadinho, prometendo reduzir os jobes fore de bois. Mas que ia acabar a bagunça. E a pouca vergonha. Prova? O pelouro do urbanismo ficaria nas suas mãos. Prontos. ‘Táxplicadopá. O pelouro do urbanismo ia ter alguém de confiança. Para tomar conta dele, finalmente. Pessoalmente. Não era como com essa cáfila do Carmona e amanuenses, tudo já arguido ou a merecer pior sorte. Com ele, não. Arguido, sim, também, até porque começa a parecer suspeitoso ainda não se ser arguido de qualquer marosca, permitindo esse estado de pré-arguição as mais desvairadas conjecturas e maledicências. No caso dele, porém, descansai, não tinha nada a ver com o urbanismo, é coisa relativa a outra ordem de urbanidade. Daí a vantagem em ser arguido, para que se separem as águas.

O coro tentava pontuar a prestação. Mal ensaiados. O orador estava concentrado no tónus, na pujança. Tanto que se esquecia da claque. Lá se conseguiu o ruído mínimo necessário para ter sido feita política à moda destes políticos. E terminou.

Terminou, mas não acabou. A peça jornalística acrescentou os efusivos cumprimentos de Marques Mendes. Na mente do jornalista televisivo, era já chouriço para encher, suporte da locução que fechava a reportagem. Comigo, acontecia o desvelamento de uma alma. Marques Mendes estava comovido, grato pelo espectáculo. Apertava febril as mãos do candidato. O seu rosto exibia o sorriso dos beatos, aqueles que contemplam as forças superiores e se sentem levitar. E não era coisa de somenos: para o chefe do PSD, conseguir levitar tornou-se numa questão de sobrevivência.

Não é de votar, mas é de aplaudir

António Costa.jpg

Andou a ser alimentado pela máquina desde o berço político. É o acabado homem do aparelho. Servente dos chefes. Não lhe conheço uma única ideia ou volição. Confesso, António Costa sempre me irritou pela sua pose intelectualmente invertebrada, até tosca. Contudo, Sócrates volta a pensar bem ao sacrificar o braço direito por Lisboa. Sendo tão raro, quase que espanta ver políticos inteligentes.

Deixem-me sonhar

helena-roseta.jpg

Para a candidatura de Helena Roseta à Câmara da Capital ser um cúmulo de perfeição, deveria convencer José Sá Fernandes e Maria José Nogueira Pinto a juntarem-se a ela. Imaginando que estes carismáticos e idiossincráticos figurões conseguiriam organizar-se, em Lisboa começaria a reconquista cívica de Portugal.

A foto/notícia não tem nada a ver com nada, e tudo a ver com tudo.

O bailinho da Madeira

000bacz8.jpg

Cresce o número de tontos que admiram as vitórias de João Jardim. E admiram precisamente isso: serem vitórias. É a mesma lógica scolariana, a qual instituiu que os fins justificam os meios: mesmo que se jogue mal, o que importa é a vitoriazinha. Se o cinismo desportivo tem adeptos, o cinismo político tem sequazes, prosélitos, bufarinheiros. Na ocasião, há alívio e conforto no esmagador resultado madeirense. Porque é a prova de que as velhas soluções funcionam, de que ainda se pode confiar na racionalidade do poder máximo. O poder máximo leva à distribuição mínima da riqueza; sendo o mínimo um critério móvel, sujeito às necessidades. Na Madeira há riqueza distribuída pela população, a qual tem trabalho, serviços e meios. Claro que teria chegado a 2007 com as mesmas condições sem Jardim, fosse quem fosse que tivesse estado no poder nos últimos 30 anos. Outros também teriam obra feita, pois que para gastar dinheiro o engenho nunca falta. A pergunta a fazer é: a que custo se quer manter o mínimo?

Os votantes em Alberto João são votantes em Alberto João, não no PSD. Olham para as candidaturas concorrentes e não vêem ninguém. Ninguém que lhes dê o mínimo. Evidentemente, não faz sentido pôr em causa o pouco que têm. Uma mudança de poder corresponderia a uma alteração das hierarquias, com inevitável instabilidade social e económica. A não ser que o substituto garantisse a manutenção da estrutura de poder. Mas a estrutura de poder já tem Jardim como seu representante e procurador, não existindo empresário que não esteja satisfeito com a plutocracia insular. Assim, o que se passa na Madeira em nada diz respeito à política, mas apenas à sobrevivência. Vota-se para proteger o mínimo. É sórdido e normal.

Do lado de cá, do lado do PSD, do lado das instituições do Estado, do lado dos órgãos de soberania, do lado dos jornalistas, do lado dos cidadãos, é a vergonha colectiva. Dão-nos baile.

Aprendizes de feiticeiro

Com a decisão de Pinto Monteiro, entregando a Cândida Almeida a investigação do caso da licenciatura de Sócrates, todas as vozes se calaram sobre o assunto. Porquê? Porque foi a pior notícia que poderiam ter recebido. A intervenção da Procuradoria-Geral não se limitou a alterar as regras do jogo, veio anunciar que se estava perante um jogo completamente diferente. Muitos dos que tinham gozado o prato de finalmente terem algo para entalar o Primeiro-Ministro, chafurdando na lixeira com gosto e empenho, estarão agora receosos. É que a vantagem passa para Sócrates, que se vê com um inesperado trunfo nas mãos. Se as eventuais tropelias — cometidas num contexto de inevitável promiscuidade de poderes, o académico e o político — se resumem a tratamentos de favor, o critério apanhará centenas de potenciais outros casos, em todos os partidos. E todos ficam expostos a retaliações. Se nada se provar de conclusivo, a investigação irá ilibar moralmente o suspeito, reforçando a sua imagem. E dará azo a vinganças planeadas com tempo e inteligência. Ou seja, por causa de supostas irregularidades formais num processo de licenciatura armou-se este banzé, tentou-se atingir a honra do visado por mero oportunismo político. Então, perante os casos de contínuo conluio entre os partidos e os corruptos, corruptos da alta e da baixa finança, ao molho — casos esses que correm de boca em boca em todos os sectores da economia —, poder-se-á começar a observar cabeças rolando pela corrupção abaixo, em tamanho e número nunca vistos em Portugal. E se tal acontecesse em consequência do caso da licenciatura, não poderia ser mais refinada a ironia socrática.

The not so special ones

_42853753_ronaldo_mourinho203.jpg

O povo sofreu uma secreta comoção com a derrota de Mourinho na eliminatória de acesso à final da Liga dos Campeões. O imaginário e o inconsciente colectivos, cada um por si e os dois à compita, ansiavam pela vitória do nosso embaixador em Inglaterra. Mourinho, o português menos português de Portugal, epígono de Alves dos Reis, auto-predestinado para a glória e maluco, tem-se divertido a jogar uma roleta que lhe correu excepcionalmente bem. Mas os deuses estão agora a dar-lhe uns piparotes, com languidez e preguiça, só para o obrigar a reconhecer que a lei do acaso continua suprema e intocável.

No dia seguinte, novo desaire nacional. Cristiano não resolveu. Cristiano estava num paquete de luxo que se afundou. Porém, neste caso, trata-se de um português portuguesinho, daqueles que não mordem nas canelas dos deuses. Ser a estrela mais bem paga da galáxia não chega para fazer milagres, é a lição teológica a recolher do episódio.

Donde, o providencialismo estar em baixa cá pela terrinha. Já só nos resta o Alberto João.

Gaia, a pequena Londres do Mediterrâneo

medsea
roman_empire_color 2

Conviver de perto com Luís Filipe Menezes pode ser catalisador de crises esquizóides, possibilidade que aumenta no caso da presença de patronímicos históricos no Bilhete de Identidade. É o que acontece ao vice-presidente da edilidade gaiense, de seu nome Marco António Costa. Sendo um Costa, pertence a uma enorme família de humildes e abnegados trabalhadores. Contudo, sendo primeiro um Marco António, é-lhe legítimo ambicionar império de recorte faraónico. Esta tensão anfibológica sofre imparável desequilíbrio vindo do sonhado futuro césar do PSD — o ilustre autarca-doutor-de-ir-à-lágrima — levando as faculdades cognitivas do Costa a deixarem-se ofuscar pela quimera e o fausto dignos de um Marco António.

Vai daí, o autarca foi a Londres apresentar o projecto de reabilitação urbana do centro histórico de Gaia. Picado pelos mouros, os quais tinham desencantado um ALLGARVE totalitário e expansionista, Marco António foi em modas e ofereceu-se para anunciar a maior obra de terraplanagem e engenharia civil de que haverá memória, tanto a passada como a futura: transformar Gaia numa pequena Londres — isto é, supõe-se, recriar uma cidade em tudo igual a Londres, porém muito mais pequenina, mais maneira, mais rápida de atravessar de um lado ao outro, com casinhas de bonecas, autocarros de dois andares reduzidos a um só, o Big Ben em versão Small Ben, etc. — e, depois da estrambólica operação concluída, ir a correr colocar o brinquedo algures no Mediterrâneo. Esta última parte ainda não está fechada, e confere ao projecto uma audácia que desafia a imaginação. Porque a empreitada permite soluções variadas.

Os mapas supra ilustram a grandiosidade da visão e sua inspiração romana — trata-se do mesmo espírito indomável, uma vontade imperial. Vejamos: estando Gaia no litoral do oceano Atlântico, pode-se mudar a cidade para novo poiso no litoral mediterrânico; como era prática corrente há mais de 2000 anos e não houve notícia das pessoas terem protestado. Poderia comprar-se terreno em Espanha, França, Itália, que são zonas nobres e prestigiadas, com bons serviços turísticos, à altura do génio dos promotores; ou ir para a Argélia, que deve ser muito mais barato; e com um muro à volta ninguém chateia a malta. E levarem-se as pipas de Porto em barcos rabelo motorizados, à volta das quais nasceria a tal pequena Londres solarenga e soalheira. Só que essa trasladação é apenas uma primeira ideia, demasiado óbvia, ferida de banalidade. Muito melhor seria o oposto: pegar no mar Mediterrâneo e levá-lo para as imediações de Gaia. Isso, sim, iria calar todos os que ladram verrinosos. Porque, se o Mediterrâneo surgisse súbito junto de Gaia, muito se iria rir o Marco António. Olá.

Não tem que enganar, a deslocalização da massa de água será a escolha que melhor defende os interesses da vereação. Podemos avançar na engenharia: onde se iria colocar a coisa? É pergunta de falsa complexidade, pois só admite duas respostas: fora ou dentro da linha de terra. Fora, tem a vantagem da fácil arrumação, confundindo-se com o espaçoso Atlântico depois de vertida. Mas dentro, dentro… dentro, meus amigos… levaria à completa submersão da Ibéria, há muito a merecer tal sorte, e deixaria Gaia como nova e solitária ilha. Uma ilha banhada conjuntamente pelo Atlântico e pelo Mediterrâneo, conforme as marés, possuindo inclusa uma pequena Londres para inglês ver. E então, acalmados os demiúrgicos governantes locais, tudo estaria pronto para se reclamar novo e definitivo título: Gaia, a pequena Londres do Mediterrâneo que, no fundo, é uma Madeira do Pacífico.

O palimpsesto da crise da licenciatura

O que me preocupa na crise da licenciatura do Primeiro-Ministro é o estado do PSD. Coitadinhos. É mais grave um vazio de poder no maior partido da oposição do que todas as tropelias do Governo, juntas. Porque quem está a tomar conta disto não escapa ao holofote, a qualquer altura pode levar nas orelhas. E no PSD, que está a acontecer? Quem é o treinador de reserva? O que irá ser daquilo, quem lhe irá pegar? O melodramático e vácuo Menezes? O sebastiânico e ignoto António Borges? O “não me fodam” e “vão para o caralho” Rui Rio? O professor e aluno traquina Marcelo? O delirante e em delírio Santana? Uma gaja?

Aposto numa gaja. Gira. E tesuda, para endireitar o País. Caso a Ségolène perca, proponho que se lhe faça uma proposta de transferência para o nosso campeonato.