Arquivo da Categoria: Valupi

Sinistro

O caso do afegão convertido ao cristianismo, e preso com risco de ser condenado à morte, é uma nítida radiografia da sociologia do Islão, do seu fundamentalismo e do terrorismo que reclama a sua bandeira. Estes clérigos islâmicos são aliciadores de fanáticos, numa lógica puramente religiosa. Nos países muçulmanos onde não há outras fontes de informação e formação, ou onde elas são incipientes, o sentido constrói-se coercivamente a partir das patologias instituídas como cultura religiosa. O resultado é o contínuo fluxo de carne para explosão.

Obviamente, há um conflito de civilizações. O Ocidente foi o local da sua primeira batalha. Vencemos ao longo de séculos. Mas a guerra pela secularização ainda vai reclamar mais vidas, por tempo indefinido.

Sinistra

A Esquerda partidária reclama defender os direitos, interesses e ambições dos trabalhadores. Os trabalhadores por conta de outrem (estes, potencialmente ainda mais disponíveis para acolher o discurso que os nomeia) são mais de 75% do total que trabalha, em Portugal. Se a realidade fosse euclidiana, a distância mais curta entre os partidos de Esquerda e os interesses dos trabalhadores seria o voto. Só que a realidade é a 4 dimensões (pelo menos), tem curvas e a velocidade não é a mesma para todos os corpos. Os partidos de Esquerda permanecem minoritários, alguns sem qualquer representação parlamentar. A par deste desconchavo, ninguém pode contestar o primado do Direito, as liberdades de associação e expressão políticas, as novas tecnologias de comunicação; que, na parte e em conjunto, tornam absurda a reclamação de “a mensagem não estar a chegar”. A mensagem chega, mas não convence. Porquê?

A Esquerda partidária – não a Esquerda intelectual, universo maior e camaleónico – vive no século XIX. E tem uma atitude romântica, anticientífica. Por isso, não consegue explicar ao trabalhador o que quer dizer “luta de classes”, enquanto continua a fazer de Marx o seu Mafoma. Mas é no discurso anti-autoridade, anti-capitalismo e anti-América que a Esquerda revela a sua acabada distopia. A sociedade para quem a televisão generalista e vácua chega e sobra, que não lê livros nem jornais, mas baba-se perante revistas cheias de retratos dos ufanos ricalhaços, reúne-se e festeja já só por causa do futebol, realiza-se no ter uma casa e um carro mais caros, para depois continuar a multiplicar os hipnóticos sinais exteriores de fartança, que prefere fechar-se em casa a participar na cidadania e que aceita com conivência a corrupção do vizinho, não speaka marxês.

Se querem falar com esta gente, traduzam.

O meu candidato a Ministro da Educação

É o Nuno Crato. Quem quiser, se ainda não o conhece, que investigue. O seu último livro, O Eduquês em Discurso Directo, pode dar azo a alergias, alguidares de pesporrência e fácies ruborizados em parasitas do sistema de ensino. Porém, a reflexão que está na origem do livro parte de uma ideia simples que vou tornar chã: os putos só aprendem à força. Não se exercendo força, não há pedagogia. É assim, é indiscutível, é óbvio. E quem não concordar, vindo com fórmulas rousseaucas onde os meninos se transformam num híbrido de anarquismo utópico com Ovos Fabergé, está a criar uma sociedade de analfabrutos.

Ora, eu gostava que este homem fosse Ministro da Educação. Em alternativa, que fosse Primeiro-Ministro. Começo aqui uma campanha nesse sentido.

Diz SIM à discriminação (e vive em paz com a tua consciência)

Se os namorados se beijam por serem namorados, se os amantes se desejam por serem amantes, se os esposos vivem juntos por serem esposos, se os pais cuidam dos filhos por serem filhos, se os filhos protegem os pais por serem pais, se os amigos preferem estar com os amigos por serem amigos, se os familiares ajudam os familiares por serem familiares, se os professores dão melhores notas aos bons alunos por serem bons alunos, se as empresas contratam empregados competentes por serem empregados competentes, se os patrões promovem profissionais talentosos por serem profissionais talentosos, se os consumidores escolhem certos produtos em vez de outros por serem esses os produtos certos em vez de outros, se a nossa vida é toda e sempre um processo contínuo e inevitável de discriminações instituídas como padrão de normalidade, e temos como legítimo que assim seja — então, porque não aceitar que se discriminem pessoas no mercado de trabalho com base no tom de pele, religião, orientação sexual, idade, deficiência física, opção política, estatuto social, origem geográfica, código genético, altura, fealdade, apelido, clube, capacidade para contar anedotas ou até mera recusa em prestar favores sexuais, posto que já o fizemos antes na esfera privada e ninguém nos acusou de discriminação, bem pelo contrário, e até ficaram todos contentes?

É uma pergunta.

Peloponeso mensal

A TSF emite em directo os Debates Mensais na Assembleia da República. Foi assim na passada sexta-feira, Sócrates contra os exércitos de uma Oposição espartana em oposição. Estou certo de nunca ter ouvido alguém, fosse onde fosse e quando fosse, a soltar palavra e vagido que sequer por lapsus linguae ou homofonia se relacionassem com esse acontecimento onde a democracia se realiza numa das suas mais transparentes e nobres modalidades. Coisa para lamentar, pois o Debate Mensal assistido pela TSF é um misto de teatro radiofónico com escutas telefónicas. Há informações que só o timbre de voz consegue transmitir, passando despercebidas na mistura com a imagem.

Sócrates é muito irritante. Tem uma pose sempre no limite da arrogância possidónia, tendência que se tem agravado com a idade e os papéis do poder. Mas Sócrates torna-se simpático quando se irrita; o que lhe acontece com facilidade, de resto. Aí, o seu temperamento sanguíneo tem uma genuinidade que se distingue dos artificialismos da circundante pandilha. Sente-se-lhe o gosto em passar responsos paternalistas, exercício que atinge o auge quando a vítima é Marques Mendes. A sua voz também se modula de acordo com a bancada do interlocutor: o CDS é tratado com indiferença fria, o PSD com agressividade cúmplice, o PCP com petulância agastada e o Bloco com bonomia agreste. Toda uma paleta de fluxos emocionais a moldar a expressão retórica, desvelando matrizes e ofuscando paradigmas.

A oratória como virtude guerreira é noção que remonta a Homero. A virilidade convém ao político, ontem como hoje. Mas os Debates Mensais ainda não revelaram guerreiros dispostos a arriscar a vida pela Cidade. E os persas já iniciaram a sua maratona.

1ª Obra Pública de José Sá Fernandes

Votei neste homem por me parecer ter a alma indicada para a função. O facto de contar com o apoio do BE, e assim suscitar reacções alérgicas de alguns bloquistas, foi mais uma agradável surpresa a juntar-se à sua candidatura. O José mostra possuir aquele intangível concreto que nem pais nem professores já cuidam de promover – o carácter. Moldar o carácter dá trabalho, leva tempo e é sempre uma empresa de destino incerto. Mas, mais luciferinamente, o vulgo constata ser o carácter uma dimensão que só atrapalha o rumo dos negócios mundanos. E com razão.

A aprendizagem da corrupção é, talvez, a disciplina mais bem sucedida do currículo secreto dos modernos. Começa na família, essa selva dos afectos, onde há desvairados pesos para a mesma medida. Continua na escola, local do tirocínio para a manipulação. Conclui-se no mercado de trabalho, em que é prática normativa. É corrupção a lógica da cunha, a fuga aos impostos, a complacência com as patologias dos incompetentes, a passividade na auto-formação, o medo perante a violência de terceiros, a destruição ambiental, o desprezo da política. Até os chico-espertos que se metem por uma bomba de gasolina para assim passarem à frente dos que estão parados no trânsito, ou que vão até ao limite de uma saída de via entupida e depois se atravessam à frente de quem lá chegou a passo de caracol, são corruptos. Que não espante, depois, as notícias relativas a casos de corrupção causarem esse misto de satisfação anal por alguém poder vir a ser castigado e de identificação aspiracional com o corruptor e o corrompido; no fundo, apenas vítimas do azar (isto é, da aselhice) de terem sido apanhados.

Se fosse eu a mandar no BE, ia por esta via com obsessão metódica: apoiar independentes. E se quem mandasse no BE fosse eu, acabava com esta tentação: o culto de personalidade à figura do Francisco Louçã. O menino tem apetência para tal – como se viu no discurso espontâneo na noite das eleições presidenciais, só para citar um caso próximo e paradigmático – e quem o cerca tem sido amável cúmplice. Aliás, espanta-me (porque sou ingénuo) a falência dos partidos de Esquerda com representação parlamentar (pelo menos, destes) naquela que deveria ser uma das tarefas mais urgentes no seu ofício: a denúncia da corrupção. Deputados com imunidade parlamentar e acesso a fontes de informação vastas, precisas e exclusivas, não aproveitam os meios para combater a corrupção. Em mais de 30 anos de democracia, é o marasmo que todos conhecemos e legitimamos. Escusam de tentar explicar, já sabemos pela leitura dos jornais desportivos como os sistemas são diluentes da coragem e da dignidade.

Como estaríamos em Portugal se a classe política fosse constituída pela fibra que José Sá Fernandes e irmão acabam de exibir? Como estaríamos em Portugal se quem nos governa tivesse o amor à Cidade que o idealista-pragmático-íntegro-lírico-pain-in-the-ass José revelou? Não estaríamos em Portugal, seria a resposta.

Cristo é muito superior a Maomé

São factos objectivos e indiscutíveis. Cristo é Deus, enquanto Maomé não passa de um profeta; não jogam sequer na mesma divisão. Para encontrar um rival de Cristo temos de chamar Alá. Cristo contra Alá termina sempre em empate, é duplamente monótono. Ao nível de Maomé estão Moisés e João Baptista; este último com um estatuto mais ambíguo. Toda esta gente tem parentes em comum, daí as quezílias nas partilhas. Mas quem vê superioridades e respectivas inferioridades? Só crentes e enciclopedistas. Ao lado, discretos, há também aqueles para quem Cristo e Maomé são apenas dois personagens numa estória de fricção. E este grupo tem a lucidez de atribuir igual importância a qualquer personagem, como bons amantes de literatura.

Continuar a lerCristo é muito superior a Maomé

Abençoada blasfémia

O Ocidente é uma religião. É a religião do Direito. Tem templos, sacerdotes, teologias, livros sagrados. Responde a preces. Os seus concílios são abertos à participação de todos os cidadãos maiores de idade. Está em perpétua revelação. Tem raízes na filosofia grega, na tradição judaico-cristã, na civilização romana. Sabe-se friável, e nessa fraqueza vai sempre renovando a sua força. Corresponde ao império do Espírito da Lei, a Idade da Justiça.

Em boa hora, os simpáticos e pacholas dinamarqueses recuperaram a alma viking e deram um imprevisto abanão na modorra ideológica. Agora que aconteceu, até custa a crer que não tenha acontecido mais cedo. É que o ataque aos bonecos teve o condão de desenhar um novo mapa conceptual. De um lado, vemos uma vontade de poder obscura, manipuladora, que trata os seus como carne para canhão na busca de vantagens políticas, ganhos financeiros ou fruição de delírios sociopatas. Do outro, 2.500 anos de gesta heróica na procura da liberdade. Este é o tempo de assumirmos a nossa diferença, reclamarmos a memória de todos aqueles que deram as suas vidas por um ideal humanista, chamem-se eles Sócrates, Cícero, Cusa, Galileu, Thoreau, Marx ou Teresa.

A raiz etimológica de civilização remete para comunidade, referida a um complexo urbanístico complexo com estatuto de cidade. Implica uma ordem que rege a convivência, regula as transacções sociais, confere direitos e deveres, organiza o poder, autonomiza a política. Neste sentido, os conflitos com os terroristas, psicopatas e alienados que se reclamam defensores do Islão não configuram um choque de civilizações; pois estes infelizes não estão a desenvolver civilização alguma, apenas a ferir a deles e a nossa. Porém, o Islão tem uma questão para resolver: a secularização da sua política e respectivo edifício jurídico. Um Islão político é incompatível com o Ocidente, como se vê pela retórica e práticas dos fundamentalistas. Um Islão político não reconhece fronteiras nem o valor absoluto da vida humana, não admite laicismos nem direitos humanos. Mas um Islão cuja política e lei civil sejam seculares será no mesmo passo um humanismo. Foi precisamente isso que conseguimos fazer do cristianismo, e muito nos custou.

Aqueles que neste momento aproveitam para, mais uma vez, verter bílis contra o Ocidente têm a razão dos trapaças. Queixam-se de a obra não estar acabada, o terreno sujo e continuarem a morrer operários na construção. Enfim, é uma desculpa como outra qualquer para não estarem a trabalhar.

Sufi Ciente

Eis uma muito conhecida parábola de Jalal al-Din Rumi – místico e poeta sufi nascido no séc. XIII, no actual Afeganistão – que se grava facilmente no coração e à qual não nos cansamos de voltar, aqui transposta em versão livre:

Um homem vai visitar o seu melhor amigo. Bate à porta e ouve “Quem és?” Responde “Sou eu.” O amigo diz-lhe “Vai-te embora, não te conheço.” Magoado, o homem vai embora. Passado um ano, volta lá. “Quem és?” Responde “Sou tu.” O amigo abre a porta. E diz-lhe “Bem-vindo. Esta casa é tua.”

Enquanto os cães ladram, a caravana da história faz caminho. Para quem gosta de números, apostaria os meus rentes em como há centenas de milhões de muçulmanos cuja ambição é viverem em paz, conforto e harmonia com o resto do mundo. Quantas centenas de milhões? Vou arriscar uma quantidade: entre 10 a 12.

São pessoas condicionadas pelos poderes políticos, religiosos e culturais. Pessoas cuja voz não se faz ouvir, que talvez nem a si próprias se oiçam. Mas são aquelas que nós deveríamos tentar conhecer, apoiar, defender. Estão em todo o lado, aqui em Portugal. Costumam ser chamadas de “moderados”, o que não lhes faz justiça. Não pode haver moderação no combate pela dignidade. E dependemos delas para estancar a sangria, reduzir a loucura.

Começar por nos aproximarmos das comunidades islâmicas, não sendo remédio santo, já seria suficiente.

Pagar o galo a Asclépio

O tema do Holocausto Nazi é aquele que, desde o início da WWW, mais flame wars provoca. Ao ponto de ser seguro abandonar qualquer discussão onde ele apareça, pois o que virá a seguir é o cardápio da irracionalidade. O tema do terrorismo sob bandeira islâmica vai por igual caminho. Unindo os dois temas, uma mesma fulguração: a lógica da ausência de sentido. Para designar essa experiência paradoxal, em que assistimos à organização metódica do caos, temos um palavrão com muito pouco gasto: derrelicção. Mas a derrelicção é tramada, não dá para um gajo se sentar e fumar um cigarro, fazer uma mijinha. Por isso, o costume é a malta voltar para trás e ir abancar noutro lado qualquer ou nem sequer lá entrar.

Quando alguém (seguramente de boa-fé, bem intencionado, “boa pessoa”; isso nem se discute, dando-se já como provado) se permite falar do Holocausto Nazi com a facilidade com que fala de pilinhas e bananas, apresentando uma contabilidade macabra como critério de valor e substância de argumentos, eu reconheço-me incapaz de retorquir. Porque fico triste, e depois dá-me para o silêncio. É que o nazismo continua a desafiar-me, e cada uma das suas vítimas a tentar falar comigo. Imagino-me lá, nessa época, em qualquer um dos lados da barricada, mas especialmente represento-me como cidadão alemão. Que teria feito? Teria sido cúmplice activo? Cúmplice passivo? Cobarde? Mártir? Herói? E acabo sempre com a suspeita de que teria sido mais um esmagado pela máquina nazi, provavelmente um cobarde. A mesma agonia trágica para o nosso período salazarista: teria tido a coragem daqueles que lutaram pela liberdade em Portugal ou teria sido um filho-da-puta qualquer?…

Continuar a lerPagar o galo a Asclépio

Cineterapia

moviecamera.jpg
O Homem da Câmara de Filmar_ Dziga Vertov

Este filme mostra, entre muitas outras coisas, miúdas a jogar basquetebol, câmaras de filmar montadas em motociclos, senhoras obesas em ginásios, um chinês a fazer truques de magia para um grupo de crianças loirinhas, alguns sem-abrigo a dormir na rua, uma bicicleta para exercícios em casa, telefones de modelos variados, espectadores numa sala de cinema assistindo a efeitos especiais no ecrã, filmagens do quotidiano urbano a partir de um automóvel descapotável, um parto, montras cobertas de publicidade e topless em praias. Terá sido filmado algures na América, no ano passado? Quase. Foi filmado na Rússia comunista, em 1928.

Continuar a lerCineterapia

Constipation

Há uma idade para ter excelentes ideias. Todos passamos por ela. E depois há uma idade para ter boas ideias. Raros lá chegam. No resto do tempo, lidamos com as ideias dos outros.

Esta é uma das minhas excelentes ideias: reunir um grupo heterogéneo de pessoas dedicadas a ter ideias. Quais, pessoas e ideias? Pessoas com ideias, ideias para pessoas. Como se vê, é uma excelente ideia que muita gente com ideias tem.

Mas nunca num blogue. Reunir pessoas com ideias num blogue resulta sempre no afastamento das pessoas por causa das ideias, como se vê consecutiva e até sistematicamente. As pessoas teriam de ser reunidas numa sala e de lá só poderem sair com as tais ideias que viessem a dar ideias às pessoas que precisam e gostam de ideias. Esta última ideia, porém, é capaz de ser uma má ideia.

Pelo que está a faltar uma boa ideia.

extra_let’s just be friends

Fosga-se. Também quero entrar nisto. Primeiro era apenas um duelo entre o Zé Mário e o George. O nosso Zé, com o económico recurso ao negrito, tinha clarificado a questão. Depois veio o Luís e cantou a tabuada:
1 crítico X 1 amigo = 1 crítico com um amigo. Finalmente, entrou o Fernando e, ex abundantia cordis, deu um açoite na criança mal comportada. Ressarcido fui para a cama, ajeitei as ceroulas, bendisse o saco de água quente e preparei-me para sonhar com o movimento cívico do Manel. Estava quase a conseguir quando me aparece o espectro da Constança. Levitou-me até um palimpsesto onde ainda se conseguia ler o nome “Luís Rainha” rasurado e que, garanto, era uma cópia de um texto meu. Achei bem, porque eu escrevo muito bem e ela mostrou ter gosto. Mas, como estava cheio de sono, não lhe dei conversa. Só que havia outro espectro na sala, o Vasco. E de imediato pensei “Às tantas, a Constança é amiga do Vasco.” Este raciocínio incendiou-me, porque eu ando há que tempos a tentar ser amigo do Vasco. Não sei se já vos aconteceu, quererem muito ser amigos do Vasco e não o conseguirem, mas a mim está sempre a acontecer. De modo que fiz um esforço para entender o texto da Constança, de modo a poder fazer-lhe um elogio, de modo a ela pensar que eu era amigo, de modo a ela dizer bem de mim ao Vasco. Lá consegui sacar uma ideia: vivemos em Portugal. E disse-lhe “Constança, acertas quando dizes que vivemos em Portugal.” Foi quanto bastou, a mulher prometeu marcar-me um almoço com o Vasco. Ufano com o homérico triunfo, decidi fazer-me amigo do George. É que eu já sou amigo do Zé Mário, e constato como tal condição está prenhe de vantagens. Tudo começou numa festa, no momento em que me debruçava para capturar o último pastel de massa tenra. Nisto, o Zé Mário antecipa-se e não só me entrega o pastel como ainda tem o cuidado de o embrulhar num guardanapo de linho. Olhei-o com firmeza e disse-lhe sem vacilar “Pá, se é para estares com cenas destas, mais vale sermos amigos.” Ele compreendeu a mensagem e ainda hoje me fala disso. Neste espírito, fui ao Esplanar. Apanhei o George com uma réplica do Fernando Venâncio na mão esquerda, exactos 10 cm, e uma agulha ferrugenta na mão direita, inexactos 5 cm. As espetadelas eram frenéticas, umas à frente das outras, outras ao lado das outras e ainda outras muito parecidas com outras atrás mencionadas. Sem levantar os olhos nem abrandar o vodu, berrava “És um merdas.” “És um merdinhas cagão.” “Nunca, mas NUNCA serei teu amigo!” Eu, como quem quer a coisa, tinha-me encostado ao texto genesíaco das toupeiras. Estava a curtir aquilo, era giro, tanto que me distraí e deixei de ligar ao que ele dizia. O post possuia uma concavidade onde, fazendo alguma pressão, um gajo (mas só um, fica o aviso) se conseguia enfiar. Assim recostado, com os presuntos quase a tocar no texto de cima e uma perspectiva que trocava o eixo das palavras abcissas pelo das ideias ordenadas, ia-me entretendo a ler a peça. Estava mesmo bem esgalhado, o magano do post. Aparentemente, a intenção seria a de impedir que o Nuno escrevesse no DN sobre um eventual livro do Zé Mário. Fiquei curioso. O George não se engana, toda a gente sabe, e não lhe faltam recursos críticos, todos hão-de acabar por saber. Ora, a única conclusão lógica era a de estar na calha um livro do Zé Mário. Isso deixou-me triste. E também triste. Porque o Zé não me tinha dito nada. E agora interrogo-me: seremos só amigos?