Aviso aos pacientes: este blogue é antianalgésico, pirético e inflamatório. Em caso de agravamento dos sintomas, escreva aos enfermeiros de plantão.
Apenas para administração interna; o fabricante não se responsabiliza por usos incorrectos deste fármaco.

Revolution Through Evolution

To slow an epidemic, focus on handwashing
.
A Happy Partner Leads to a Healthier Future
.
Reconnecting with nature key for the health of people and the planet
.
Revenge is more enjoyable than forgiveness – at least in stories
.
Financial Pressure Makes CFOs Less Likely to Blow the Whistle on Potential Fraud
.
The use of jargon kills people’s interest in science, politics
.
Crossing Divides: Why ‘cartooning’ political opponents is bad for us
.
Continuar a lerRevolution Through Evolution

É escolher

"É o regresso ao tempo do dr. Pinto Monteiro e das decisões secretas e inexplicáveis", acusa António Ventinhas, presidente do sindicato, que considera o parecer "gravíssimo". Porquê? "Porque de futuro não se saberá se quem assina as peças processuais é efetivamente o autor ou se um superior hierárquico na sombra a dar ordens no processo, sem qualquer conhecimento dos juízes ou dos advogados. É gravíssimo", reforça.


Fonte

*|*

O pedido de esclarecimento que fez sobre a divulgação daquelas ordens só serve para agravar o que está em causa. Ou a senhora PGR não sabia o que estava a fazer ou, sabendo, foi “apanhada” e está a tentar corrigir o tiro. Qualquer das duas faz-nos regressar a um passado não tão distante em que a justiça estava ao serviço da política, dos políticos, de um político. E faz-nos dar razão aos que, perante a sua nomeação, questionaram os objetivos de António Costa (e de Marcelo) com a substituição de Marques Vidal. E isso já é uma nódoa que Lucília Gago não poderá apagar, qualquer que seja o desfecho deste caso.


António Costa

*_*

Este António Costa é o outro, o jornalista. Assina com a categoria de publisher, uma parolada que significa o mesmo que editor-mor e que, no essencial, consiste em definir o posicionamento da publicação em causa. Desde a escolha dos jornalistas e comentadores à escrita dos editoriais, a folha de couve chamada ECO não engana ninguém. Trata-se de mais um veículo da direita decadente. Prova em apreço, a citação acima onde o valente publisher nos diz que concorda com aqueles que viram na substituição de Joana Marques Vidal um plano de Costa e Marcelo para deixar os políticos cometerem crimes impunemente. Fica difícil encontrar algo para dizer depois de se ler algo tão desmiolado vindo do magnífico publisher mas uma pergunta, pelo menos, somos obrigados a fazer só para mostrarmos módico respeito pela nossa inteligência: se ainda não foste despedido à pala destas bacoradas, quem é que te paga o serviço?

Alguém paga. Alguém para quem os custos do empreendimento são amendoins, tremoços ou pevides comparados com a real ou fantasiada influência que se obtém recorrendo à baixa política, ao sectarismo e à calúnia. A paisagem mediática está saturada destes “investimentos” direitolas, não sendo possível identificar um único órgão onde se faça algo análogo em favor do PS. Até o PCP tem o “Avante”, os socialistas (diz a gente séria) têm de recorrer a um blogue defunto chamado “Câmara Corporativa” para terem uma fotografia da realidade tirada a partir do seu ponto de vista. No entretanto, neste ecossistema do ECO, Cofina, Impresa, Sonae, Renascença, Observador, Newsplex, mas também na TVI, TSF e na RTP, corre solta, imparável, a repetição de uma mentira alucinante. A mentira da suspensão do Estado de direito entre 9 de Outubro de 2006 e 12 de Outubro de 2012.

Pinto Monteiro foi a terceira escolha para procurador-geral da República, depois de Cavaco ter chumbado as duas primeiras apresentadas pelo Governo socialista. Pinto Monteiro, portanto, só ocupou o cargo porque o então Presidente da República e o PSD o quiseram. Acabado o mandato de 6 anos, Cavaco condecorou-o com a Grã Cruz da Ordem Militar de Cristo, dizendo:

«[destacou-se] pela sua entrega à causa pública e ao serviço de Portugal, quantas vezes com prejuízo da sua vida pessoal, com grande dedicação e reconhecido mérito»

«notável carreira dedicada à magistratura, em particular o exercício das exigentes funções de PGR num tempo particularmente delicado da justiça portuguesa»

Se, como garante o honestíssimo e decentíssimo publisher, durante o período de Pinto Monteiro como PGR “a justiça estava ao serviço da política, dos políticos, de um político“, das duas uma: ou esse político era Cavaco Silva ou Cavaco Silva também estava ao serviço de Sócrates.

Para as pessoas que não lidam muito com estas matérias

Marques Mendes já era um importante militante do PSD aos 18 anos de idade, quando exerceu o cargo de secretário do Governador Civil de Braga nos idos de 1975. Filho de um advogado fundador do PSD e presidente da Câmara Municipal de Fafe, o primogénito iria nos 44 anos seguintes provar que merecia usufruir dos privilégios dinásticos. No Cavaquistão foi peça do núcleo duro partidário e governativo, chegou a presidente do PSD em 2005 e foi mantendo ao longo das décadas uma feérica actividade como advogado e administrador de várias empresas. Para o que segue importa fixar o seguinte: o actual Presidente da República escolheu-o para o Conselho do Estado – isto é, Marques Mendes representa no Conselho de Estado os interesses de Marcelo Rebelo de Sousa.

No passado domingo, no seu comentário na SIC, Marques Mendes lançou no espaço público as seguintes declarações:

"Eu não dou muita importância [às violações do segredo de justiça] porque isso é aos pontapés"
– “Já se percebeu que há uma guerra entre este juiz [Carlos Alexandre] e o primeiro-ministro e, portanto, não vale a pena perder... isso é uma questão lateral
– “Há coisas muito estranhas aqui [no caso de Tancos]... Não é do ponto vista criminal, é do ponto de vista político
– “Veja bem, três exemplos para as pessoas perceberem rapidamente: [seguem-se três exercícios de cavilações]
– “Toda a gente no País sabia [do duvidoso "memorando"], menos o Governo
– “E a certa altura viemos a saber o quê? Que Azeredo Lopes acha tudo normal porque vê muitos filmes policiais. Veja bem, é o que lá 'tá dito [em supostas transcrições do interrogatório de Carlos Alexandre a Azeredo Lopes]... e achou qualquer coisa normal porque vê muitos filmes de televisão
– “Veja bem, como é que num assunto gravíssimo, que podia ser de segurança nacional, das coisas mais graves que aconteceram em Portugal, o Governo não tratou de esclarecer coisíssima nenhuma... tratou isto como uma novela policial, veja bem
– “Para as pessoas que não lidam muito com estas matérias [directiva sobre poderes das chefias no MP], e que podem até achar que é uma questão muito jurídica, que não interessa nada, expliquemos rapidamente. O que está em causa, no essencial, é isto: é saber se a ordem de um superior hierárquico a um procurador no Ministério Público deve estar escrita no processo ou não. E isto ressuscita - para as pessoas perceberem a importância disto - o fantasma das ingerências políticas nas investigações.
– “Vi-o [António Ventinhas] a dizer «Isto é o fim do Ministério Público democrático, é um atentado à democracia»... são afirmações algo demagógicas...
– “E, finalmente, insisto no que disse há bocadinho, suscita, justa ou injustamente, o fantasma das ingerências políticas em processos judiciais. Sobretudo nos processos mais delicados. Aí onde Joana Marques Vidal, a anterior procuradora-geral da República, criou, de facto, as condições para haver maior independência, e, agora, levanta-se este novo fantasma.
– “Se a actual procuradora-geral da República, eu acho que se não resolver isto rapidamente, eu acho que ela corre o sério risco de sair chamuscada do processo

Recapitulando, e com “três exemplos para as pessoas perceberem rapidamente”:

– Marques Mendes está-se a cagar para a actividade criminosa da violação do segredo de justiça.
– Marques Mendes caga d’alto na “guerra” que um certo juiz alimenta contra um certo primeiro-ministro.
– Marques Mendes espalha merda da grossa para cima dos magistrados, do PS e da República.

Este peralvilho que se baloiça desasado no poleiro mediático do militante nº1 do PSD seria o mais feroz dos indignados com os crimes de violação do segredo de justiça caso eles visassem preferencial e sistematicamente a sua área política ou as suas relações profissionais e pessoais. Como as vítimas são na sua enorme maioria da sua principal concorrência eleitoral e fáctica, como os crimes cometidos por agentes da Justiça foram e são fundamentais para a estratégia da calúnia e da judicialização da política contra o PS, ele está feliz da vida.

Este passarão do sistema partidário e político desde o final dos anos 70 estaria em pé de guerra caso um juiz, um juiz qualquer badameco sem carência de ser uma vedeta do poderosíssimo Tribunal Central de Instrução Criminal e do populismo justiceiro, abrisse um qualquer tipo de conflito com um primeiro-ministro laranja. Sairia a terreiro armado com grandiloquentes sermões acerca de Montesquieu e da teoria da separação de poderes no liberalismo democrático que não deixariam pedra sobre pedra na temeridade e reputação desse juiz.

Este Conselheiro de Estado, escolhido pelo Presidente da República para um órgão de consulta a respeito das mais criticamente graves questões nacionais, deleita-se na política-espectáculo a ameaçar a procuradora-geral da República, a atacar o Governo e o PS com chicana debochada, a achincalhar indecentemente um ex-ministro a partir da violação dos direitos e da dignidade de um cidadão, e a espalhar sórdidas e dementes teorias da conspiração em que um número indeterminado de magistrados (procuradores e juízes), a que se acrescentam todos os órgãos soberanos (da Assembleia da República aos conselhos superiores das magistraturas, e ainda os tribunais no seu todo, já para não falar de Cavaco Silva então Presidente da República), teriam sido cúmplices de dois indivíduos (Pinto Monteiro comandado por José Sócrates) para se cometerem espantosos crimes no Ministério Público sem que o próprio SMMP os tivesse conseguido denunciar às autoridades.

Estará Marques Mendes maluco? Nada disso. Ele apenas aproveita a vantagem da sua posição de poder, um poder que conseguiu ilegalmente espiar um primeiro-ministro em funções, e que irregularmente (quiçá também ilegalmente, a História o verificará) conseguiu o troféu supremo da prisão do inimigo mais temido, por isso mais odiado. Esse poder, Marques Mendes – em nome de Marcelo Rebelo de Sousa e do que ambos representam, estabelecem e influenciam no regime – não quer perder.

__

Pedro Lains fez, há um ano, um interessante retrato deste pulha: Compreender Marques Mendes

O busílis da questão

André Lamas Leite parece ser jurista e decente, decente e jurista. Seguramente, dele não podemos dizer – como há a dizer do seu colega de lides jurídicas, e de pasquim, Francisco Teixeira da Mota – que promove o populismo judicial e persegue uma certa força política ou os políticos por atacado. Em vez disso, temos do professor da Faculdade de Direito da Universidade do Porto regulares exercícios técnicos adentro das ciências jurídicas. A propósito da polémica a respeito da directiva sobre poderes das chefias no Ministério Público, deu-nos este saboroso naco argumentativo:

«Ora, a autonomia interna – na vertente em que os procuradores que têm fundadas razões de facto e de Direito, devidamente fundamentadas, para considerarem dada ordem de superior hierárquico gravemente violadora da sua consciência jurídica – impede, em meu juízo, que se possa caracterizar a relação intercedente dentro da estrutura do MP como de verdadeira hierarquia, mas sim em sentido impróprio. É certo que se não trata da independência que a CRP garantiu aos juízes, devido às suas funções, mas também não foi intenção do legislador constituinte que quem ocupa uma posição mais baixa nesta hierarquia imprópria não possa manifestar a sua discordância e que tal fique a constar do processo. Só assim se assegura que a garantia de respeito por uma autonomia técnica reconhecida aos magistrados do MP – ainda que limitada – não é letra morta.» <- Fonte

Só para entendermos os itálicos teríamos de fazer umas cadeiras numa escola de Direito jeitosinha, para entrarmos a fundo na problemática precisávamos de ler pelo menos metade dos calhamaços que o ilustre André papou. Porém, para um leigo armado aos cucos, o que o parágrafo oferece ao pensamento é algo deste género: “A autonomia dos magistrados do MP (como qualquer outro constructo jurídico) não pode ser definida com rigor apodíctico por causa da amplitude e ambiguidade semântica inerente à língua natural, daí valer tudo para qualquer.” Ou seja, quando se disputa qual foi a “intenção do legislador constituinte”, independentemente da matéria em causa, é avisado reconhecer que, falhando nalguma das partes em confronto a honestidade intelectual, a probabilidade de irmos parar a um concurso de erística é mais alta do que a de continuarmos a ver o Sporting sem um título de campeão no futebol nos próximos 30 anos. Dito ainda de outra forma, tudo no Direito, incluindo os códigos legais, começa e acaba na interpretação. E assim tem de ser, pois a letra é inferior ao espírito.

Neste litígio que serve os interesses de um sindicato avesso ao Estado de direito, SMMP, o autor optou por apoiar o ridículo e sinistro Ventinhas. A forma como o faz permite a exploração política que talvez não seja da sua responsabilidade, isso de o título e o destaque do artigo estarem a promover a tese da “politização do MP” como plano de Lucília Gago. É uma opção editorial que o texto não suporta explícita e veementemente, daí apostar que foi obra do editorialismo sectário do jornal. Porém, colhe pegar precisamente nessa arma de arremesso e virá-la ao contrário. Leia-se o original completo:

«Aqui está o busílis da questão: um MP politicamente condicionável não leva a juízo factos com relevo criminal em que haja suficiência de indícios, pelo que os mesmos não serão sequer julgados. O MP é a mola propulsora do sistema penal.»

Podemos deixar na borda do prato a inverosimilhança – a impossibilidade política, social e comunitária – de existir algum caso na Justiça portuguesa onde “factos com relevo criminal em que haja suficiência de indícios” sejam abafados por ordem de uma chefia do Ministério Público, especialmente se envolvessem figuras públicas, basta que demos atenção ao seu reverso. Com o actual enquadramento estatutário no MP, quão fácil será levar a juízo factos com relevo criminal em que haja insuficiência de indícios? E quão difícil será levar a juízo factos sem relevo criminal? Ao não se pronunciar sobre estas possibilidades, André Lamas Leite ignora a fáctica judicialização da política e a politização da Justiça que têm moldado o devir político em Portugal desde 2004 com a criação do caso Freeport por políticos e agentes policiais e da Justiça, quiçá desde o caso Casa Pia. Será que este senhor também ignora que “levar a juízo” um adversário político num caso em que acabe ilibado é o suficiente para o derrubar? Será que este articulista desconhece as consequências sociais e políticas, eventualmente profissionais e até de saúde, de ser-se arguido num caso com dimensão mediática, mesmo que nem sequer haja acusação? Será que este cidadão convive tranquilo com a condenação sem provas directas – pena celebrada como exemplar pelo seu peso nunca antes registado num tribunal português – de um ex-político, e isto num processo judicial de exploração sensacionalista, persecutória e caluniosa com garantido e vastíssimo impacto político? Será que este académico também ignora que termos um Ministério Público que decide investigar políticos de uma certa área e não investiga de modo igual políticos de outra ou outras equivale a termos uma polícia política?

O busílis da questão, portanto, é outro: que leva esta pessoa que parece jurista e decente a alinhar com os pulhas?

Revolution through evolution

Why males pack a powerful punch
.
‘Parentese’ helps parents, babies make ‘conversation’ and boosts language development
.
Focus on context diminishes memory of negative events, researchers report
.
Direct touch of food makes eating experience more enjoyable
.
Want a more elastic brain? Try mixing up your workout
.
National Study: Medical Students Become Less Empathic Toward Patients Throughout Medical School
.
Is it possible to reduce political polarization?
.
Continuar a lerRevolution through evolution

Perguntas simples

Isto de ver o PSD a juntar-se ao PCP, BE e PAN para interromperem as obras do Metro e causarem um prejuízo de mais de 100 milhões de euros, e um atraso de não se sabe quantos anos na expansão da linha, significa que a “Geringonça” foi oficialmente substituída pelo “Frankenstein”?

O acordar de um vírus adormecido

Um teste ao vírus salazarista deu positivo num membro da recém-eleita comissão executiva do CDS. Deve ser um vírus duma estirpe particularmente resistente, tendo sobrevivido aparentemente inactivo e silencioso desde 1974. Estava talvez adormecido, à espera do momento ideal para aparecer.

Com efeito, não há registo de que um dirigente do partido fundado por Freitas do Amaral e Adelino Amaro da Costa tenha alguma vez cantado loas a Salazar, elogiado a PIDE como “a melhor polícia do mundo” e negado que ela torturou presos políticos. Também nunca se tinha imaginado que um dirigente do CDS pudesse alguma vez chamar “agiota de judeus” a Aristides Sousa Mendes.

Perante a recente revelação dessas e outras afirmações “ofensivas da memória democrática do CDS”, o ex-drigente centrista António Pires de Lima tinha exigido uma posição clara do recém-eleito presidente Francisco Rodrigues dos Santos, vulgo Chicão. Mas este não estava para aí virado. A comissão executiva a que preside veio em coro defender o autor das tais afirmações, Abel Matos Santos, com o argumento de que ele entretanto já se tinha “distanciado do rótulo ignóbil que lhe quiseram colar”. Note-se que o “rótulo ignóbil” em questão não era o de defensor de Salazar e da PIDE, pois Matos Santos apenas se demarcou publicamente do anti-semitismo  e só o fez depois de a comunidade israelita de Lisboa lhe ter caído em cima.

A comissão executiva do CDS sustentou que esta questão apenas surgiu para prejudicar o CDS, pois se tinham ido buscar “afirmações antigas” de Matos Santos, “algumas com mais de 10 anos”. Ora a boca do “agiota de judeus” foi realmente publicada no facebook do indivíduo em 2012 e nenhuma das outras afirmações em causa tinha mais de 10 anos, tendo algumas apenas 4 ou 5 anos, quando o indivíduo já pertencia a outro órgão dirigente do CDS. Respigo dos jornais:

  • “Viva Salazar! E ele vive mesmo! Façam o que fizerem, mudem o nome da ponte que ele fez, apaguem nomes de ruas, mintam sobre ele, façam o que fizerem, nunca conseguirão apagar a sua memória e o seu vasto legado! Foi, sem dúvida alguma, um dos maiores e melhores portugueses de sempre!” – Facebook, 27 de Julho de 2015.
  • A PIDE era “uma das melhores polícias do mundo”, que só provocaria problemas “aos comunistas e àqueles que atentavam contra a segurança do Estado” e “muito bem” – 27 de Julho de 2015.
  • “Quais torturas?” (ainda sobre as práticas da PIDE) – 27 de Julho de 2015.
  • “Mas o que comemoram eles? Háaa, já sei, é a Liberdade… A liberdade de abortar, de mudar de sexo de manhã e à tarde, de usar crianças de modo egoísta para satisfação de ideologias e projectos pessoais… (…) É isto tudo que hoje se comemora em Portugal! Um país outrora pluricontinental e plurirracial, hoje pluriendividado!” (a propósito do “dia de lavagem cerebral”) – 25 de Abril de 2016.
  • “A questão é: Era preciso uma Revolução? O país crescia mais de seis pontos percentuais por ano, a guerra do Ultramar estava ganha, havia emprego e estabilidade, Portugal era reconhecido internacionalmente, tudo estava calmo!” – Abril de 2010.

O Chicão nada fez para afastar este salazarista confesso da comissão executiva ou distanciar-se dele, apesar de o conhecer bem pessoalmente. Como o tinha metido na comissão executiva, não quis confessar e provar que tinha feito asneira. Ainda assim, Matos Santos teve o bom senso de demitir-se de dirigente, livrando o CDS do rótulo ignóbil que ele próprio lhe estava a colar. O vírus é que se calhar ainda por lá ficou…

Os que falam não sabem, os que sabem não falam

Falar do juiz Carlos Alexandre é constatar como a Justiça portuguesa bateu no fundo. Para além de ser um magistrado que alimenta o culto de personalidade na indústria da calúnia, e isto a troco de um serviço de informações politizado e/ou criminoso, estamos também perante um agente da Justiça que se permite violar os seus deveres de isenção, que difama o próprio sistema de que faz parte, e ainda ameaça com chantagens os seus pares. Tudo isto feio às escâncaras, publicamente, como se fosse essa uma condição e uma garantia da sua impunidade. Donde, ver a comunicação social a tratar a sua pessoa implica, inevitavelmente, descobrir qual a relação desses órgãos, jornalistas, comentadores e editorialistas com o Estado de direito democrático. Trata-se de uma dimensão onde, como se lê em Apocalipse 3:16, “os mornos serão vomitados”. Quem se cala é ainda pior do que aqueles que usam Carlos Alexandre para atacarem a cidade.

Ontem ficámos a saber que alguém no tribunal onde o “super juiz” interrogou Azeredo Lopes estava a relatar os acontecimentos em directo para os jornalistas. À hora de almoço já havia resumos e comentários à disposição e ainda faltava mais uma tarde de espectáculo. Claro, poderá ter sido o próprio Azeredo ou o seu advogado a fazê-lo, como gostam de sugerir os pulhas sempre que este tema vem à baila. Talvez eles tenham estado a responder de telemóvel na mão e a teclar desenfreadamente. Mas, nesse caso, será que iriam pintar o retrato que o Expresso, o Observador e a Cofina de imediato espalharam para açularem a matilha com deturpações, escárnio e mentiras? É pensar nisso.

Do que se conhece na rua sobre o desaparecimento e recuperação do material de guerra armazenado em Tancos, é possível admitir que Azeredo Lopes foi aquele que teve até agora a tarefa mais heróica. Tendo sido uma das testemunhas da conversa entre Marcelo e o director da PJM, onde este obteve uma qualquer espécie de promessa do Presidente da República para exercer a sua influência sobre Joana Marques Vidal (versão desmentida por Belém), e conhecedor a posteriori da encenação da recuperação do material (versão do ex-ministro), Azeredo igualmente sabia que os militares adjuntos à Presidência e ao Governo iriam ser parte, passiva ou activa, da pressão castrense que Luís Vieira estava a exercer sobre o poder político. Só que toda a minha gente na hierarquia do Estado, sem excepção, sabia do mesmo. É claro que Marcelo e Costa, por maioria de razão, estavam contínua e preocupadamente ao corrente dos mais pequenos detalhes a que pudessem meter os garfos, mal de nós se não o fizeram. Este episódio da História de Portugal é tudo menos cómico. Na verdade, a usarmos uma categoria dramatúrgica, a indicada seria a tragédia. Porque a situação nasce de uma ameaça à honra de quem se sente responsável por um corpo humilhado pelos poderes civis e cada vez menos relevante no seu estatuto – quiçá, um pilar do regime profundamente apodrecido, como o próprio caso de Tancos sugere. O nome com que a Judiciária carimbou a sua investigação a respeito – Operação Húbris – não tem nada de metafórico.

Para investigar o que se passou em Tancos, como é necessário a bem da República, é preciso sacrificar Azeredo Lopes, achincalhá-lo de forma bronca e maníaca no editorialismo e no comentariado, e usá-lo para a chicana partidária e para as campanhas negras? É pensar nisso. E, de caminho, tomar por sinceras as palavras com que o primeiro-ministro sempre se referiu ao seu papel na crise. O papel de quem não tinha poder sobre os militares que prepararam uma armadilha ao Governo onde era ministro da Defesa, em relação directa com outras violações graves das suas responsabilidades enquanto oficiais de alta patente das Forças Armadas Portuguesas. O papel de quem, inesperadamente, teve de proteger todas as partes envolvidas pois a situação foi levada para o grau máximo de conflito institucional subterrâneo num contexto de selvagem exploração mediática e política.

Quem disser que faria melhor do que Azeredo Lopes nas circunstâncias, ou não sabe do que fala ou não fala do que sabe.

Revolution through evolution

Companies Innovate More When Their Boards Include Women
.
An egg a day not tied to risk of heart disease
.
People may lie to appear honest
.
Commercial air travel is safer than ever
.
Swing feel in jazz music: The role of temporal fluctuations
.
Praise, rather than punish, to see up to 30% greater focus in the classroom
.
Third Reich’s legacy tied to present-day xenophobia and political intolerance
.
Continuar a lerRevolution through evolution

E uma democracia de pulhas, queremos ser?

Em Portugal, a tentativa mais séria de subverter o funcionamento da democracia liberal através de um “processo incremental” para controlar todos os poderes que fazem os contrapesos democráticos necessários foi durante os governos de José Sócrates - isto é uma opinião controversa, mas só por si o tema dava um livro. Por tudo isto é que me faz pele de galinha quando oiço políticos a fazerem ataques, no mesmo pacote discursivo, à imprensa, aos jornalistas, ou aos agentes da justiça. Não queremos ser uma “democracia de zombies…”, pois não?

Vítor Matos, 27 de Janeiro de 2020

*_*

Não se trata de engano. O dia corresponde no calendário a 27 de Janeiro de 2020, mais de cinco anos depois de Sócrates ter sido detido e preso, mais de oito anos depois de Sócrates ter saído da governação, quase quinze anos depois de o PS ter obtido a única maioria absoluta, mais de trinta e dois anos após o início plenipotenciário do Cavaquistão. E aqui temos o editor de política do Expresso, num espaço editorial, a enfiar Sócrates e o PS na lista das ameaças mundiais à “democracia liberal”. Justiça lhe seja feita, não está sozinho. No circo mediático profissional e na esfera política à direita, a mesmíssima atoarda aparece regular e sistematicamente. Trata-se, na verdade, da principal fonte energética e motivacional de uma multidão de derrotados, ressabiados e decadentes: Sócrates e a atracção do seu fascínio para um direitola que se limita a ver a caravana passar.

O bigodudo guardião do Ocidente livre de socialistas considera, sapiente, que “o tema dava um livro“. No que estará a ser modesto, pois facilmente se percebe como o tema dá um franchising de bibliotecas, bastando algum maduro começar a recolher os textos e as declarações em que se repetiu a alucinada bacorada – tranquilamente uma das mais estúpidas teorias da conspiração que circulam actualmente. Esse delírio implica usar os neurónios de forma tão misteriosa que se torna possível conceber o desaparecimento da “democracia liberal” entre 2005 e 2011 por nunca antes vistas manigâncias de um fulano, seus três ou quatro comparsas e, claro, de um certo partido. Existir, durante esse mesmo período, uma comunicação social monopolisticamente opositora, deputados da oposição em exercício sem limitações de direitos, um Ministério Público onde o seu sindicato perseguia politicamente o Governo, tribunais em funcionamento sem qualquer perda de autoridade e de novo um corpo sindical opositor e persecutório, polícias em acção tão completamente livre que até espiaram ilegalmente um primeiro-ministro em funções e, last but not least, na chefia do Estado um Presidente da República da direita mais rancorosa, a que ainda se soma a oligarquia nacional furibunda alimentando o golpismo, tal não entra nas versões bolçadas pelos evangelistas da diabolização de Sócrates. É que o alvo tem de ser declarado um monstro se o plano for o de derrubá-lo e castigá-lo recorrendo a monstruosa violência. É simples e arcano.

Este Vítor não está a escrever o tão importante livro contra os zombies, nem o fará. Ele abdica da fama internacional e de uma carreira milionária como paladino da liberdade. Sim, seria canja o nosso bravo jornalista explicar, demonstrar, ilustrar e enfiar em trezentas páginas como se deu esse assustador «“processo incremental” para controlar todos os poderes que fazem os contrapesos democráticos» a partir de um gabinete em S. Bento, posto que estamos perante evidências, verdades e, acima e antes de tudo, factos cristalinos. É perguntar a qualquer taxista ou leitor do esgoto a céu aberto, ou então à RTP. Infelizmente, o Sr. Matos prefere deixar a sua marca no século através destas cirúrgicas e sibilinas declarações que acima cito. A facção para quem discursa sabe de ginjeira do que ele está a falar, fiquemos descansados.

Ter um jornalista, com o cargo de editor de política, e numa instituição decana da imprensa hebdomadária, a encher secretamente o bestunto com este tipo de fantasias sórdidas e degradadas já seria preocupante. Ter o mesmo fulano a dar-lhe privadamente voz no seu círculo de relações pessoais já seria grave. Ver o passarão a usar o órgão profissional que lhe dá poder social e político para difundir a toda a extensão da audiência a sua mirabolante calúnia leva-nos em salto quântico para outro campeonato. Isto é equivalente a tomarmos conhecimento de que o nosso médico de família consulta o Professor Karamba quando tem dúvidas sobre a terapia a aplicar a um paciente. Às tantas, o Professor Karamba até acerta ou pior não fica, mas as consultas com o nosso médico de família não voltariam a ser as mesmas depois de se adquirir essa informação. Donde, só com a anuência do militante nº 1 do PSD e do genial mano Costa é possível manter um taralhouco deste calibre na lista de pagamentos.

Quando se vê o Parlamento a tremer de medo do chungoso do Chega, convém lembrar que esse artista se limita a praticar o que aprendeu no PSD de Passos Coelho e nessa direita decadente que domina a comunicação social. Na sua miséria moral, tem o mérito de expor os pulhas mal-habituados a não terem concorrência.